NOTÍCIA ANTERIOR
Empresa belga mostra tablet com Windows 8 na CeBIT
PRÓXIMA NOTÍCIA
Funcionários dos EUA eram usuários do Megaupload, diz fundador do site
DATA DA PUBLICAÇÃO 12/03/2012 | Informática
YouTube investe US$ 150 mi em produção de conteúdo profissional
YouTube investe US$ 150 mi em produção de conteúdo profissional  Foto: Editoria de Arte/Folhapress
Foto: Editoria de Arte/Folhapress
Você chega em casa cansado do trabalho, mas ansioso pelo episódio de seu seriado favorito. Liga a TV, se conecta ao YouTube e acessa o canal que produz o programa.

É assim que o Google, dono do YouTube, imagina o futuro da produção de vídeo na internet. Segundo projeções da empresa, até 2020 cerca de dois terços dos canais de produção própria, incluindo os da TV, serão on-line.

Por isso, o YouTube está investindo pela primeira vez em produção de conteúdo. São, por enquanto, 96 canais que levam o selo de Original Channels. Alguns já podem ser vistos no site e, até o fim do primeiro semestre, a maioria deve entrar no ar.

"As pessoas gostam de consumir em nichos, e a audiência está se fragmentando", disse Robert Kyncl, vice-presidente de conteúdo do Google, durante a CES (maior feira de eletrônicos do mundo), em janeiro deste ano.

A ideia é que o usuário consuma vídeos não só no PC, mas em "qualquer aparelho com tela e conexão à internet", o que inclui as TVs inteligentes, ligadas à rede.

O investimento total do YouTube é de US$ 150 milhões, como adiantamento de receitas publicitárias. As receitas futuras serão divididas com os canais, e o YouTube não tem direitos autorais sobre o que for produzido.

Cada capítulo da novela das oito, por exemplo, custa em média R$ 450 mil, ou US$ 255 mil. A mais recente, "Insensato Coração", teve 185 episódios, o que, ao todo, equivale a US$ 47 milhões.

Portanto, os US$ 150 milhões, divididos por 96 canais, não são um investimento tão vultoso para produção de conteúdo profissional.

Ecossistema

Segundo Kyncl, a ideia é que o conteúdo melhore tanto para o espectador, com programas que seriam ignorados pelas redes de TV, quanto para a publicidade, que poderá ter um público mais focado para atingir.

"Nós queremos fomentar um ecossistema de produção de conteúdo", diz Alvaro Paes de Barros, diretor de conteúdo do YouTube para a América Latina.

Segundo ele, o mais importante é a construção de uma cultura em que vídeos na internet são tão importantes quanto a TV.

Nomes famosos do entretenimento fecharam parcerias, o que deve facilitar a atração de contratos publicitários. A cantora Madonna terá um canal de dança e o ex-jogador de basquete Shaquille O'Neal terá um programa de humor, entre outros.

Além disso, haverá vídeos do jornal "The Washington Post", da agência de notícias Reuters e do site da "Slate".

Canais que nasceram de modo independente e fizeram sucesso, como o do site de notícias falsas "The Onion" e o de tutoriais eHow, entraram na lista.

Por Alexandre Aragão - Colaboração para a Folha / Folha Online
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Informática
19/09/2018 | Grupo Renault Nissan terá sistema operacional Android em seus carros
18/09/2018 | A corrida para a criação do computador mais poderoso da história
11/06/2018 | Google tira ovos de emoji de salada para agradar veganos
As mais lidas de Informática
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6196 dias no ar.