NOTÍCIA ANTERIOR
Balas Juquinha reabrirá no Interior
PRÓXIMA NOTÍCIA
Cartão pré-pago é opção a quem quer controlar gastos
DATA DA PUBLICAÇÃO 18/06/2015 | Economia
Vendas de itens de festas juninas crescem até 15%
Vendas de itens de festas juninas crescem até 15% Foto: Denis Maciel/DGABC
Foto: Denis Maciel/DGABC
É tempo de São João e não há quem resista às delícias desta época do ano. Pé de moleque, pipoca, canjica, pinhão, bolo de milho, quentão e vinho quente se tornam itens obrigatórios na lista de compras do mês e movimentam as vendas dos supermercados da região. Isso, apesar da crise e do aumento de preços.

A Apas (Associação Paulista de Supermercados) prevê crescimento entre 10% a 15% nas vendas desses itens, comparado ao mesmo período do ano passado. Ainda de acordo com a entidade, esses produtos ajudam também a alavancar a comercialização de outras seções dos estabelecimentos, já que a visita do consumidor impulsiona a procura por alimentos não típicos das festas – também estimulada pelo clima frio –, como carnes, queijos e bebidas em geral.

Redes do varejo contatadas pela equipe do Diário fazem projeções semelhantes. É o caso do Pão de Açúcar e do Extra Hipermercados, que estima alta de 10% e também do Nagumo, de Santo André, que faz essa mesma estimativa.

O gerente de unidade dessa última rede, Fábio Lacerda, cita que, apesar da alta esperada nesse segmento, neste ano a expectativa é menor do que em vezes anteriores, já que a demanda dos consumidores, de modo geral, têm sido fraca. “Está tudo devagar, mas esperamos que esses produtos vendam 25% a mais do que nos dias comuns.”

No supermercado Joanin, a expectativa não foi divulgada. No entanto, o supermercado informa que o volume de pedidos, junto aos fornecedores de artigos típicos das quermesses, cresceu de forma significativa. “Aumentamos a quantidade em 100% dos produtos juninos”, afirma o contador da rede Joanin, Adriano Sarti.

INFLAÇÃO - Ainda de acordo com o levantamento da Apas, a variação de preços em relação a 12 meses antes foi de 10,7% no caso das frutas; de 10,4% nos refrigerantes; o vinho subiu 6,7% e o milho, 3,7%.

O gerente do Nagumo afirma que, no geral, os itens típicos tiveram reajuste de 15% no preço, mas apesar da alta o consumidor não deve sentir muito no bolso, já que “a inflação acompanha todo o mercado”.

Para a comerciante andreense Marília Novelli, 59 anos, o encarecimento não é motivo para deixar de comprar as guloseimas. “Tudo aumentou. Estamos tentando nos adaptar. Mesmo assim, não deixo de comemorar a festa junina todos os anos com a minha turma.”

A dona de casa Silvina Lima, 57, de Santo André, também não abre mão dos produtos. “É só uma vez por ano, e é minha festa preferida. Aproveito a desculpa para me acabar no bolo de milho.”

Por Marina Teodoro - Diário do Grande ABC
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Economia
25/09/2018 | Operação mira sonegação de R$ 100 mi de grupos cervejeiros e cerca Proibida
25/09/2018 | Greve na Argentina cancela voos no Brasil nesta terça-feira
25/09/2018 | Demanda por GNV aumenta até 350% após alta na gasolina
As mais lidas de Economia
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6234 dias no ar.