NOTÍCIA ANTERIOR
Maceió: cidade do marechal
PRÓXIMA NOTÍCIA
CVC inicia nova promoção com 50% de desconto nas passagens aéreas
DATA DA PUBLICAÇÃO 03/05/2009 | Turismo
Velho Chico e o mar
Mesmo depois de percorrer 2.700 quilômetros e atravessar cinco estados brasileiros, o Rio São Francisco desemboca imponente no mar, na divisa dos estados de Alagoas e Sergipe. A última cidade alagoana banhada pelo velho Chico tem 20 mil habitantes, o nome indígena de Piaçabuçu - com dois ‘ç'' mesmo - que significa palmeira grande e o privilégio de ser um cartão-postal que ainda está sendo descoberto pelos brasileiros.

Com ar de vila, Piaçabuçu esbanja tranquilidade. O rio é margeado por casinhas coloridas e as famosas "lavadeiras do São Francisco" com suas bacias de alumínio que batem papo descompromissados enquanto enxaguam as roupas na correnteza de águas verdes. A cidade está localizada no litoral Sul do Estado e fica 135 quilômetros distante de Maceió. O acesso, feito pela rodovia AL-101, é repleto de paisagens e coqueiros que, junto com a pescaria e o turismo, é a base da economia na região.

Próximo a foz, o São Francisco chega a ter dois quilômetros de extensão. A profundidade varia entre oito e nove metros, mas pode chegar a 15 metros em períodos de chuva. A vegetação é exuberante, apesar de já apresentar sinais do desmatamento. Durante a navegação de 13 quilômetros entre o centro da cidade e a desembocadura é possível encontrar bancos de areia formados pelo assoreamento das margens. O mar também já está invadindo-o. "Já avançou cinco quilômetros para dentro do rio. Dá para perceber a salinidade da água", conta a guia Cintia da Costa, 21 anos. Para os turistas, a água é doce e limpa.

E quando o rio já se despede, mais uma surpresa: a praia do Pontal do Peba. Com 21 quilômetros de extensão, é a maior do Estado. Não bastasse, possui formações de dunas móveis, águas calmas e mornas. As areias quentes da praia são habitadas por coqueiros e artesãos que vendem de rendas a cocadas. "E não é qualquer cocada, não. É a melhor de todo o Alagoas", garante a guia turística.

Mas o que chama atenção mesmo é o ritual em que se transformou a venda da imagem de São Francisco, que dá nome ao rio. Após a compra, o visitante é aconselhado a batizar o santo nas águas do rio. "Molhe a imagem, faça três agradecimentos e um pedido. Tem de batizar porque não existe Santo pagão", explica dona Maria, que mora em Piaçabuçu desde que nasceu e trabalha há 40 com artesanato, especialmente as imagens feitas do outro lado do rio, em Sergipe.

A Foz do São Francisco e a praia do Pontal do Peba são protegidas pelo Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis). Por isso, a permanência de visitantes é permitida por no máximo duas horas. O passeio geralmente é realizado por agências de turismo pelo preço médio de R$ 35, que inclui o almoço e as informações do guia turístico. As saídas são de Maceió.

A jornalista viajou a convite da Turismo & Negócios e da TAM

Cidade luta por preservação

É difícil imaginar que quem mora em um lugar como Piaçabuçu tenha preocupações. Mas para os moradores da cidade que foi cenário do filme Deus é Brasileiro, estrelado por Antônio Fagundes e Wagner Moura e dirigido por Cacá Diegues, a degradação do meio ambiente chega a tirar o sono.

"O ribeirinho tem consciência de que a preservação é fundamental, mas é evidente que o Estado tem que atuar. E isso não existe. Não há nenhum projeto de preservação do Rio São Francisco efetivo por aqui", afirma a guia turística da cidade Cintia Costa, 21 anos.

Ela conta que o rio já teve muito mais peixe quando era pequeno. "Há cinco anos, meu pai pescava tainha, manjuba e bagre com a rede. Hoje a maioria dos pescados é de água salgada por causa da salinização do mar."

Um dos motivos citados por ela é a barragem do Xingó, em Sergipe, que reduziu a vazão do rio. "Com a barreira, ele perdeu força, o mar invadiu e a água salgou. Isso prejudica também a vegetação dos entornos do rio que estão virando areia, além da devastação que ocorre sempre por onde o homem passa."

O único controle ambiental feito na área é em relação ao número de turistas que podem ir diariamente à praia do Pontal do Peba. Em média são 100 pessoas. Formada em Geografia, Cintia conta que escolheu a profissão para poder mostrar as belezas do local e conscientizar os visitantes que o lugar precisa de cuidados.

A secretária municipal de Turismo, Adriene Lúcia da Silva Carmo, afirmou que a pasta não tem orçamento e que por isso investimentos no Ecoturismo ficam limitadas à ações dos moradores. "Hoje não temos como abrigar visitantes por falta de estrutura. Também fica difícil, criar um trabalho de conscientização dos visitantes."

O São Francisco foi descoberto em 1502. Nasceu na Serra da Canastra, em Minas Gerais, recebe água de 168 afluentes e banha ainda os estados de Bahia, Pernambuco, Sergipe e Alagoas.

Por Cristiane Bomfim - Diário do Grande ABC / Enviada a Maceió
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Turismo
18/09/2018 | Brasileiros precisarão de autorização de viagem para entrar na Europa a partir de 2021
17/09/2018 | Halloween Horror Nights 2018, do Universal Orlando, já está aberto
31/08/2018 | Campos do Jordão para crianças
As mais lidas de Turismo
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6415 dias no ar.