NOTÍCIA ANTERIOR
Fim do e-Sedex pode elevar preço do frete e afetar vendas de pequenas lojas virtuais
PRÓXIMA NOTÍCIA
Com digitalização, bancos demitiram 20 mil profissionais em 2016
DATA DA PUBLICAÇÃO 29/06/2017 | Economia
Varejo da região cria 418 postos em abril
Varejo da região cria 418 postos em abril Foto de Divulgação
Foto de Divulgação
O ano começou ruim para o emprego no comércio do Grande ABC. No primeiro trimestre, foi contabilizado saldo (contratações menos demissões) negativo de 1.474 postos de trabalho. Apenas em janeiro, a região registrou a baixa de 1.272 vagas. No entanto, em fevereiro o saldo ficou positivo (99 empregos), assim como em abril, quando o varejo criou 418 postos, dando sinais de que está começando a se recuperar.

As informações são da Pesp (Pesquisa de Emprego no Comércio Varejista do Estado de São Paulo), realizada pela Fecomercio-SP (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo) com base em dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), levantamento realizado mensalmente pelo MTE (Ministério do Trabalho e Emprego).

Em 12 meses (abril de 2016 a abril deste ano), o comércio varejista do Grande ABC eliminou 262 postos com carteira assinada. O desempenho só não é pior porque o setor de supermercados contratou 410 pessoas em abril e 1.067 no último ano. Em contrapartida, no acumulado do ano o resultado ainda é ruim, ao apresentar a extinção de 1.056 empregos formais no setor. Isso significa recuo de 0,2% na comparação com abril de 2016, atingindo a quantia de 109.609 trabalhadores – 3.851 admissões e 3.433 desligamentos.

Na avaliação do assessor econômico da Fecomercio-SP, Jaime Vasconcellos, o resultado de abril tem a influência sazonal da Páscoa. “Muitos supermercados contrataram para a data, tanto é que este subsetor é o único que não apresentou índices ruins na nossa pesquisa.”

Das nove atividades analisadas no Grande ABC, apenas os segmentos de eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos (3,6%), supermercados (2,9%) e farmácias e perfumarias (2,4%) apresentaram variações positivas no estoque de empregos formais em abril na comparação com o mesmo mês em 2016. As maiores quedas foram nos segmentos das concessionárias de veículos (-6,9%), lojas de vestuário, tecidos e calçados (-4,6%) e materiais de construção (-3,7%).

Questionado a respeito do cenário político, Vasconcellos acredita que pode haver influência nos próximos resultados. “O panorama retarda a retomada, mas, por outro lado, a queda nos juros e da inflação nos mantém otimistas para um segundo semestre estável”, explicou o assessor econômico.

Por Gabriel Russini - Especial para o Diário
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Economia
25/09/2018 | Operação mira sonegação de R$ 100 mi de grupos cervejeiros e cerca Proibida
25/09/2018 | Greve na Argentina cancela voos no Brasil nesta terça-feira
25/09/2018 | Demanda por GNV aumenta até 350% após alta na gasolina
As mais lidas de Economia
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6328 dias no ar.