NOTÍCIA ANTERIOR
Unesp divulga resultado da primeira fase do vestibular 2016
PRÓXIMA NOTÍCIA
Estudantes que não fizeram o Enade 2015 devem pedir dispensa
DATA DA PUBLICAÇÃO 04/12/2015 | Educação
USP sobe uma posição no ranking de universidades de países emergentes
Ranking anual leva em conta 200 instituições de ensino de 48 países.

China lidera lista, ocupando o primeiro e segundo lugares.


A Universidade de São Paulo (USP) subiu da 10ª para a 9ª posição no ranking internacional de instituições de ensino superior em países emergentes, de acordo com ranking da Times Higher Education, divulgado nesta quarta-feira (2). Em 2013, ela era a 11ª melhor instituição na lista. Ao todo, o ranking tem 200 universidades de 48 países, incluindo os Brics (Brasil, Rússia, Índia e China).

Além da USP, também aparecem na classificação, como representantes do Brasil, a Unicamp (24º), a PUC-Rio (43º), a UFRJ (89º), a Universidade Federal de Viçosa (102º), a UFMG (118 º), a Unesp (122 º), a PUC-RS (125 º), a UFRGS (130 º), a UFSC (148 º), a Ufscar (167º), a PUC-PR (168 º), a Universidade Federal de Lavras (185 º) e a UERJ (197º).

Phil Baty, editor do ranking da Times Higher Education, analisa o desempenho do país na educação. "É uma ótima notícia que 14 instituições do Brasil se encaixem na lista de melhores universidades nos Brics e nas economias emergentes", afirma.

E ressalta o que necessita ser feito. "O país ainda precisa trabalhar duro para competir com outros mercados em desenvolvimento, como China e Rússia, que possuem mais instituições de destaque e uma proporção mais elevada de universidades na parte superior da tabela." Para Baty, ainda faltam incentivos à pesquisa no ensino superior brasileiro – só assim o país poderá competir com outras nações dos Brics.

Na América Latina, o Chile se destacou com 6 universidades no ranking – no ano passado, foram duas. Sem considerar o Brasil, a universidade do continente que ocupou posição mais alta foi o México, com a Universidade Nacional Autônoma do México.

No restante do mundo, houve novidades também na Malásia, que emplacou 4 instituições de ensino na lista (em 2014, apenas uma), e em Bangladesh e Indonésia, que apareceram pela primeira vez no ranking de educação.

Líder
O país que mais se destacou no ranking foi a China, ocupando o primeiro e o segundo lugar com a Peking University e a Tsinghua University, respectivamente. O país também domina metade do top 10 e 39 posições na lista completa. De acordo com o comunicado divulgado pelos organizadores, o sucesso chinês é fruto de investimentos e vontade política.

Para avaliar as universidades, os critérios de avaliação consideraram a pesquisa e a inovação universitárias, o corpo docente e discente, o número de professores com doutorado, as citações importantes feitas a pesquisas da instituição de ensino, a participação internacional dos alunos e a produção acadêmica deles. Os organizadores reforçam que os cursos de artes e humanidades têm a mesma importância na avaliação que os de ciência.

Veja abaixo a classificação das 10 melhores universidades de 2015:
1º) Universidade de Pequim - China
2º) Universidade Tsinghua - China
3º) Universidade Estatal de Moscou - Rússia
4º) Universidade da Cidade do Cabo - África do Sul
5º) Universidade Nacional Taiwan - Taiwan
6º) Universidade de Witwatersrand - África do Sul
7º) Universidade de Ciência e Tecnologia da China - China
8º) Universidade de Zhejiang - China
9º) Universidade de São Paulo - Brasil
10º) Universidade Shanghai Jiao Tong - China
Fonte: Times Higher Education

Por G1, em São Paulo
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Educação
21/09/2018 | Ensino superior cresce no País, mas graças à modalidade a distância
19/09/2018 | Em crise financeira, UFABC tenta definir objetivos para 2019
18/09/2018 | Cidade francesa muda pátio de pré-escola para favorecer a igualdade de gênero
As mais lidas de Educação
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6195 dias no ar.