NOTÍCIA ANTERIOR
IBGE aponta que 97% dos brasileiros entre 7 e 14 anos frequentam escolas
PRÓXIMA NOTÍCIA
Temporários chegam a 46% dos professores em SP
DATA DA PUBLICAÇÃO 05/09/2010 | Educação
Uso de computadores transforma aulas em escola da zona norte de SP
O microcomputador XO tem cerca de 1,5 kg, menos de 25 cm tanto no comprimento quanto na largura e lembra um brinquedo infantil. Em 2007, ele passou a ser usado em sala de aula, na escola municipal Ernani Silva Bruno, em Taipas, zona norte de São Paulo, como parte do programa Um Computador por Aluno, do MEC (Ministério da Educação).

O computador com jeito de brinquedo mudou a realidade do colégio. Em 2007, o 9º ano da escola teve 3,4 de nota no Ideb (avaliação do MEC que leva em conta as aprovações e o desempenho em português e matemática). No ano passado, a média dos alunos na avaliação subiu para 4,5, superando a meta de 4,2 projetada pelo próprio ministério.

O sucesso do projeto levou a Escola Politécnica da USP a produzir uma série de vídeos que contam como professores e alunos têm utilizado o computador em sala.

Finalizados há um mês, os vídeos estão disponíveis no YouTube (http://migre.me/ 17Kb4) e podem auxiliar outros educadores. "É uma experiência que precisa ser levada para outras escolas e professores", afirma Lídia Chaib, autora do vídeo.

Com o XO, os alunos do Ernani Silva Bruno treinam redação fazendo blogs, estudam geografia e ciências com ajuda da internet e aprendem a pronúncia das palavras em inglês com um programa de tradução.

Os educadores da rede particular, onde o uso da informática é mais comum, aprovam a experiência. "Com a tecnologia e um professor preparado, você consegue dar um salto de qualidade", afirma Almir Brandão, diretor do Centro de Pesquisa e Tecnologia do Grupo Unip-Objetivo.

"O uso do computador permite ao aluno com dificuldade ir atrás do reforço e ao aluno adiantado buscar algo mais do que está na aula expositiva", afirma Nilson Curtis, diretor-superintendente do Sistema COC de Ensino.

O aluno Jéferson Rodrigues Gomes, 11, é um exemplo do impacto que os computadores trouxeram à escola municipal. No ano passado, ele teve seu primeiro contato com o laptop. Deu tão certo que o garoto foi selecionado para ser monitor.

Assim como a escola Ernani Silva Bruno, outras quatro instituições participam do projeto-piloto do MEC, com computadores doados pela ONG One Laptop Per Child. Todas atingiram suas respectivas metas no Ideb e apenas uma não teve aumento de nota entre 2007 e 2009.

A previsão do ministério é que, até o final do ano, outras 300 escolas de todo Brasil recebam os laptops, a um custo de R$ 550 por máquina.

Por Guilherme Voitch - Colaboração para a Folha
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Educação
21/09/2018 | Ensino superior cresce no País, mas graças à modalidade a distância
19/09/2018 | Em crise financeira, UFABC tenta definir objetivos para 2019
18/09/2018 | Cidade francesa muda pátio de pré-escola para favorecer a igualdade de gênero
As mais lidas de Educação
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6199 dias no ar.