NOTÍCIA ANTERIOR
Rodrigo Santoro divulga filme ao lado de Will Smith na Argentina
PRÓXIMA NOTÍCIA
''Lado a lado'' e Fernanda Montenegro vencem prêmio Emmy Internacional
DATA DA PUBLICAÇÃO 27/11/2013 | Cultura
''The Voice Brasil'' vira hit na TV e na web; produtores criticam estilo pasteurizado
O fenômeno se repete há quase dois meses. Se é noite de quinta-feira, a internet para: é dia de "The Voice Brasil", programa em que calouros são treinados, julgados e eliminados pelos cantores Claudia Leitte, Carlinhos Brown, Daniel e Lulu Santos.

Do microfone, saem clássicos do cancioneiro popular entoados por vozes afinadas e impostadas, que, por usar de artifícios como técnicas do R&B à la Whitney Houston mesmo em sambas de João Gilberto, soam iguais.

O vencedor leva R$ 500 mil e um contrato com uma gravadora. Até a final, assiste-se às performances entremeadas por relatos de histórias de superação e muitas lágrimas. Nesta quinta, um adicional: começa a fase ao vivo.

O programa, uma franquia americana que tem sua segunda temporada brasileira transmitida pela TV Globo desde 3 de outubro, virou uma febre nacional.

Desde 1º de outubro até ontem, foram publicados 1,1 milhão de tuítes sobre o programa, de acordo com a Tribatics, serviço de análise do microblog. O primeiro dia do "The Voice Brasil" teve o maior pico de tuítes por minuto (TPM), com 7,5 mil, contra uma média de 2,8 mil da final da primeira edição.

Dados do Ibope confirmam que "The Voice" é um hit.

Na semana de 4 a 10 deste mês, teve o terceiro maior público da emissora em SP, com 26 pontos (cada ponto equivale a 62 mil domicílios da Grande SP), média que mantém desde a estreia, atrás de "Amor à Vida" (37) e à frente do "Jornal Nacional" (25).

O "Big Brother Brasil 13" teve média de 24 pontos.

O programa não traz um formato novo, uma vez que shows de calouros vêm sendo reeditados desde os primórdios da TV brasileira. Então, o que explica a febre?

"[São] tantos bons artistas. A banda e os produtores musicais são excelentes, [há] um superpalco com estrutura de cenário e luz. Está ocupando o lugar dos saudosos festivais", diz Ellen Oléria, vencedora da primeira edição.

Oléria gravou um álbum neste ano e mantém uma agenda de shows que inclui o eixo Rio-SP, além de cidades do Piauí e do Maranhão. "'The Voice' foi um portal mágico que se abriu para mim."

Como Oléria, outros ex-calouros seguiram carreira. No Brasil, Thiaguinho, ex-Exaltasamba e ex-"Fama" (Globo), talvez seja o exemplo mais marcante. A maioria, no entanto, não deslancha.

PASTEURIZAÇÃO

O produtor musical Carlos Eduardo Miranda diz que a escolha majoritária por um estilo exagerado é o maior complicador das carreiras.

"Não é errado, é característico desse tipo de programa. Mas é um tipo de canto que não tem muito espaço no mercado. No Brasil, não se canta desse jeito em lugar nenhum. Talvez, na igreja", diz.

Para ele, o estilo que se vê na TV é como um solo de guitarra: "Ninguém aguenta o dia todo no rádio".

Nelson Motta, produtor e escritor, afirma que a popularização do R&B se dá pelo exibicionismo: as firulas, o fraseado sinuoso e os vibratos funcionam para "mostrar serviço com a voz".

Por Isabelle Moreira Lima, de São Paulo - Folha Online
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Cultura
25/09/2018 | Encontro com o passado
21/09/2018 | ''Sou muito feminino, isso é uma grande qualidade'', diz Chay Suede a Pedro Bial
20/09/2018 | Avril Lavigne lança Head Above Water, música sobre a doença a qual sofre
As mais lidas de Cultura
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6189 dias no ar.