NOTÍCIA ANTERIOR
Festa do Motorista na Estância
PRÓXIMA NOTÍCIA
Visual off-road é o que conta
DATA DA PUBLICAÇÃO 13/07/2008 | Veículos
Suspensão merece cuidado
Buracos imensos, lombadas fora dos padrões, asfalto em péssimas condições e valetas que mais parecem ‘mata-burros'. Essas são apenas algumas das diversas armadilhas espalhadas pelas ruas e estradas brasileiras e que são responsáveis por transformar o cotidiano do motorista em uma legítima aventura off-road. Então, para não ficar pelo caminho e sair ileso deste desafio diário, preste atenção nesta dica: mantenha sempre em ordem o sistema de suspensão do seu veículo.

Ao contrário do que muitos possam imaginar, o sistema não se limita apenas às molas e amortecedores. Ele é um conglomerado de peças que variam de acordo com o veículo, mas que vão desde coxins, bandejas e pivôs, até rolamentos de roda, bieletas, tirantes, barra estabilizadora e junta homocinética. Cada uma delas tem funções específicas, mas juntas trabalham para um mesmo objetivo: dar equilíbrio ao carro, conforto e segurança ao motorista e passageiros.

Segundo Nilton Tadeu Durães, gerente de engenharia e treinamento da Monroe (empresa fabricante de amortecedores), a melhor forma de não ter dores de cabeça é realizar as revisões periódicas. "O ideal é que o sistema de suspensão passe por uma inspeção a cada 10 mil quilômetros rodados", revela o especialista, deixando claro que eventualmente pode ocorrer a necessidade de trocar algum componente com desgaste acima do normal.

A substituição dos equipamentos varia muito, de acordo com o grau de exigência. "A deterioração de molas e amortecedores depende muito do cuidado que o motorista tem com o veículo. Quanto maior o grau de exigência do sistema, maior será o desgaste", explica Durães. Em linhas gerais, no entanto, a troca dos principais componentes da suspensão deve acontecer por volta dos 40 mil ou 50 mil quilômetros. E muito cuidado: procure sempre a ajuda de mecânicos especializados e utilize equipamentos de qualidade comprovada.

Atenção - A pergunta que fica no ar então é a seguinte: "como o motorista percebe que a suspensão apresenta algum tipo de problema?" Ao contrário de algumas peças do carro, cujo defeito só pode ser encontrado por profissionais especializados, a suspensão transmite sinais de que não está mais 100%, como barulho excessivo ao passar por buracos e depressões; diminuição da capacidade de frenagem; sensação de que o carro está ‘solto' quando se contorna determinadas curvas; trepidação acima do normal ao transpor qualquer tipo de obstáculo, principalmente valetas e lombadas.

Curiosidade - Inicialmente, nos veículos mais antigos, a principal peça da suspensão era a mola, que tinha a responsabilidade de absorver o impacto dos buracos, dando o conforto necessário aos ocupantes. Porém, com o passar do tempo, os especialistas perceberam que o carro pulava muito e perdia um pouco da estabilidade. Foi então que surgiu o amortecedor, com a função de limitar a ação da mola e deixar o carro, digamos assim, mais preso ao solo.

Por Marcelo Monegato - Diário do Grande ABC
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Veículos
19/09/2018 | Volkswagen faz recall de uma unidade do Tiguan Allspace
19/09/2018 | Detran.SP leiloa 287 veículos na Grande São Paulo
18/09/2018 | Prefeitura de SP lança site para divulgar dados sobre acidentes de trânsito
As mais lidas de Veículos
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6192 dias no ar.