NOTÍCIA ANTERIOR
Funk com palavrão inspira remixes e chega até a topo de ranking do Spotify
PRÓXIMA NOTÍCIA
Sam Smith volta a cantar após cirurgia nas cordas vocais
DATA DA PUBLICAÇÃO 30/06/2015 | Cultura
''Suruba para colorir'' vende 40 mil com paródia de ''50 tons de cinza''
''Suruba para colorir'' vende 40 mil com paródia de ''50 tons de cinza'' Ilusração do holandes Max Kisman no volume # 1 do livro 'Suruba para colorir' (Foto: Max Kisman/Divulgação/Bebel Books)
Ilusração do holandes Max Kisman no volume # 1 do livro 'Suruba para colorir' (Foto: Max Kisman/Divulgação/Bebel Books)
Laerte e Adão estão entre os 35 ilustradores de 'best-seller' de editora indie.

Ao G1, autora do projeto fala sobre recepção internacional do livro.


Este é, muito provavelmente, o único livro de colorir já lançado sem qualquer desenho na capa. "A piada era: 'Que cinquenta tons de cinza, que nada! Prefiro colorir a sacanagem!'", conta Bebel Abreu, 35, criadora de "Suruba para colorir".

Dona da editora independente Bebel Books, de São Paulo, ela lembra que estava em um jantar no Rio quando surgiu a ideia da obra. "Suruba..." saiu em março e quebrou todos os recordes da casa. "Nem nos meus sonhos mais dourados eu iria ter conseguido vender tanto", diz Bebel ao G1, por telefone. A obra já passou dos 40 mil exemplares.

"Suruba para colorir" tem dois volumes – o kit com os livros, mais giz e embalagem, sai por R$ 80. São 35 artistas e 34 ilustrações (uma delas, assinada em dupla).

Participam artistas como Laerte, Adão Iturrusgarai, João Montanaro e Fabio Zimbres. Há três estrangeiros: o holandês Max Kisman, o mexicano Alejandro Magallanes e o francês Maël Boutin.

Além dos desenhos – e acredite: tem coisa mais explícita do que os exemplos desta reportagem –, as páginas trazem frases dos artistas. Estão em português e inglês ("para alcançar mais gente", justifica Bebel). Está prevista versão em espanhol. "Suruba para colorir" teve lançamento na Holanda e rendeu à editora um convite para fazer uma palestra em junho na Universidade de Stanford, nos Estados Unidos. "O tema era 'empoderamento feminino nas mídias digitais'", explica a editora.

"Se você pensar que um livro feito de brincadeira acabou sendo lançado em dois eventos 'seriões', em Amsterdã e na Califórnia, isso é demais", comemora Bebel. Leia, a seguir, os principais trechos da conversa:

G1 – Como surgiu o 'Suruba para colorir'?
Bebel Abreu –
A ideia surgiu em dezembro de 2014, antes de acontecer a "moda" dos livros para colorir para adultos. Eu estava num jantar em que as pessoas conversavam muito sobre política. Aí, falei: “Putaria por putaria, prefiro essa aqui” – e mostrei outro projeto da minha editora que era sobre sexo. O povo riu, porque citei o caráter educativo disso, e alguém falou: “Imagina se existisse um livro educativo sobre sexo!”. Fiquei com isso na cabeça. O Brasil está ficando muito careta, muito chato. O assunto “sexo” não precisa ser um tabu, é tão natural...

Quando o livro saiu, em 4 de março, a brincadeira ainda era justamente com o “Cinquenta tons de cinza”. A piada era: “Que cinquenta tons, que nada! Prefiro colorir sacanagem!”.

G1 – Foi uma ideia coletiva, então?
Bebel Abreu –
Sim, uma suruba criativa (risos). Mas sempre muito divertido, o plano era fazer rir. Nossa ideia foi uma ação entre amigos. Conheço todas as pessoas que colaboram. O projeto inicial era um volume só, com 14 ilustradores, mas no final viraram dois volumes, com 17 ilustrações cada um.

Muita gente ainda não acredita que existe um livro chamado "Suruba para colorir". Acham que é um meme, várias pessoas perguntam: 'Gente, mas existe mesmo?!".

G1 – 'Suruba para colorir' veio antes do ‘boom’ dos livros para colorir?
Bebel Abreu –
Sim. Outro dia, até me perguntaram: “Você quis entrar na onda dos livros para colorir?”. Não! Só depois do lançamento é que veio a onda dos livros com de jardins, com flores... Já até escutei dizerem que o “Suruba para colorir” surgiu porque “ilustradores se juntaram para reagir a essa caretice das florestas”. Não! A gente não foi uma reação a nada.

G1 – Por que o livro tem feito tanto sucesso?
Bebel Abreu –
Uma combinação de fatores. Primeiro, porque sexo vende – e eu nunca tinha ficado com essa ideia tão clara (risos). E é um livro que é engraçado, divertido, com muitos autores bons. Acho que se destaca dos outros de livros de colorir para adultos não só pelo assunto, mas porque são 35 autores. E, ao ter tantos autores, você automaticamente multiplica a divulgação. E a qualidade dos desenhos é muito boa. Tem o Laerte, o Adão... Num gesto de ousadia, convidei esses nomes. Tem de ser muito descarado para convidar ilustradores desse porte para fazer um livro nessa brincadeira. Mas eles toparam e morreram de rir (risos). Agora, os autores estão animadíssimos.

G1 – A primeira edição do livro era uma coisa pequena, não?
Bebel Abreu –
Tinha 1,8 mil exemplares, com capas finalizadas à mão, fiz uma por uma. Mas ela esgotou em apenas um mês. Depois, no final de abril, saiu a segunda edição, com 3,6 mil exemplares, que também acabou rápido. Para a terceira edição, tivemos um pedido muito grande da Saraiva, então fizemos uma tiragem enorme, de 25 mil exemplares.

G1 – É o recorde da Bebel Books?
Bebel Abreu –
Totalmente! Estamos quebrando recorde atrás de recorde. Para nós, é um número inimaginável. Nem nos meus sonhos mais dourados eu iria ter conseguido. Relutei muito em entrar no circuito comercial, porque o foco desse projeto nunca foi esse. Pela loja on-line, já despachamos para quase todos os estados do Brasil. E muita gente reclamava: "Poxa, mas não tem em livraria". E as pessoas começaram a perguntaram nas livrarias, o que foi engraçado, porque gerou um movimento de as livrarias me procurarem. Eu fiquei muito tempo dizendo que não concordava, porque as livrarias ganham muito do valor do livro 50%, uma coisa proibitiva.

G1 – Mas mesmo assim você aceitou. Por quê?
Bebel Abreu –
Só entrei porque o assédio estava imenso, todo mundo perguntando.
E eu queria chegar nas pessoas. Não é todo mundo que se anima a comprar pela internet
Além disso, o "Suruba para colorir" livro já foi para outros países, como Portugal, Austrália, Suíça, Alemanha... Ele é distribuído em seis lojas da Europa e duas nos Estados Unidos. A gente está supercontente, é um feito. Aliás, quando eu falo "a gente", sou eu, meus amigos e meu namorado (risos). Até contratei uma pessoa meio período, para ver se me ajuda na parte dos envios.A Bebel Books é meu hobby, eu tenho um trabalho.

G1 – A recomendação de que o 'Suruba para colorir' é para maior de 18 anos partiu de vocês?
Bebel Abreu –
Eu tomei uma preocupação muito grande de não botar nenhum desenho na capa. Ele vem com restrição de idade, sacou? Eu tinha botado 16, mas a livraria falou que tinha de ser 18. É hipócrita, porque você vê tanta putaria na internet...

Por Cauê Muraro - G1, em São Paulo
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Cultura
25/09/2018 | Encontro com o passado
21/09/2018 | ''Sou muito feminino, isso é uma grande qualidade'', diz Chay Suede a Pedro Bial
20/09/2018 | Avril Lavigne lança Head Above Water, música sobre a doença a qual sofre
As mais lidas de Cultura
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6198 dias no ar.