NOTÍCIA ANTERIOR
Cerca de 600 desabrigados se amontoam em escola invadida após deslizamento de morro
PRÓXIMA NOTÍCIA
Condições do Rio de Janeiro são mais difíceis que Haiti depois do terremoto, diz bombeiro
DATA DA PUBLICAÇÃO 11/04/2010 | Geral
Soterramento em Niterói revela contradições de cidade que tem 3º maior índice de desenvolvimento
Os números de Niterói são de fazer inveja a qualquer capital brasileira. Só para começar, a cidade fluminense ostenta a terceira posição no IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) em todo o país (com 0,886), perdendo apenas para os municípios paulistas de São Caetano do Sul (0,919) e Águas de São Pedro (0,908). No Estado do Rio, está em primeiro lugar. O levantamento é feito pela Organização das Nações Unidas (ONU) levando em consideração a qualidade da saúde (expectativa de vida), educação (alfabetização) e renda. A escala de valores do IDH varia de 0 (nenhum desenvolvimento) a 1 (desenvolvimento completo).

Niterói, na região metropolitana do Rio de Janeiro, ostenta ainda o posto de cidade com maior escolarização do país (9,5 anos de estudo em média para cada cidadão, com taxa de alfabetização de 96,45%). A totalidade de sua área de 131,8 km² dispõe de água tratada e 90% da população tem acesso a rede de esgoto, enquanto a média do Brasil é inferior a 20%. A mortalidade infantil é de 13 por mil habitantes - no Rio, é 17,2 por mil habitantes - e renda per capita atinge R$ 809,18, a maior do Estado.

A expectativa de vida do niteroiense é de 68 anos, de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). E os bons números não param por aí. Niterói é a 12ª entre as cem melhores cidades brasileiras para negócios, é a primeira em inclusão digital no Estado, e também está no topo entre os municípios do Rio de Janeiro em qualificação de mão de obra.

Tanta qualidade de vida transformou os 471.403 niteroienses (de acordo com o censo de 2004 do IBGE) num povo com orgulho de morar na cidade. Só que a avalanche de terra que desceu com a chuva dos últimos dias nas comunidades carentes da cidade, deixando até as 22h30 de sexta-feira (9) 132 mortos, ruiu com o orgulho do morador de Niterói.

Morador de Itaipu, na região oceânica de Niterói, o dentista Marcos Fernandes, de 32 anos, desabafou ao R7 que o orgulho com a qualidade de vida da cidade foi deixado de lado neste momento difícil.

- O clima é de tristeza geral. Ninguém está preocupado nesse momento com o orgulho de Niterói. Todos estão mobilizados para ajudar nessa catástrofe. Eu mesmo já doei roupas e objetos de higiene pessoal. Mas, com certeza, Niterói vai sair dessa e se reerguer.

A professora de inglês Marister Matta, de 55 anos, que mora em Icaraí, na zona sul, disse ao R7 que também acredita na breve recuperação da cidade.

- Todos estão muito tristes. Abalados mesmo. Estamos com medo de arrastões e mais deslizamentos. Mas Niterói continua uma cidade muito boa para se morar. Quem vive aqui, não sai. Acredito que vai se recuperar muito rápido e voltar a ser nossa Niterói sossegada de antes.

Irmã da atriz Sonia Braga - que nesta sexta-feira (9) ajudou a recolher doações na cidade -, Maria Braga reconhece que o niteroiense está cabisbaixo.

- Mas a culpa não é dele. É dos administradores da cidade. A negligência foi grande. O orgulho do morador daqui vai voltar. Niterói é uma cidade muito gostosa de se viver. Mas essa qualidade de vida está presente só em alguns pontos. Não é em toda a cidade.

O fundador da Associação dos Moradores de Itacoatiara, Wagner Lopes, concorda com Maria sobre a tão falada qualidade de vida niteroiense.

- Independente da tragédia, essa qualidade de vida toda não é uma realidade. O sistema de transporte é caótico. A educação é caótica. Esses números são só para inglês ver. Só uma minoria tem acesso a esses índices.

Márcia Oliveira Moraes, professora de psicologia da UFF (Universidade Federal Fluminense), afirmou que o niteroiense vai demorar a se recuperar dos efeitos da tragédia.

- O orgulho está ferido e afeta todos os moradores da cidade. E não vai ser fácil recuperar não. A cidade está parada há uma semana. Está toda tomada por lama. Talvez esses números de qualidade de vida não sejam essa maravilha toda que falam. E espanta muito o descaso do poder público. Onde estava o mapa de risco elaborado pela UFF que não foi colocado em prática?

Diante de tanta tragédia, o governo federal liberou, em caráter emergencial, R$ 35 milhões para a recuperação da cidade. Resta saber se a quantia será empregada corretamente para tirar todos os moradores de áreas de risco de Niterói.

Por Giovani Lettiere, do R7
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Geral
25/09/2018 | Golpe do ''motoboy'' é o crime da moda
25/09/2018 | Há quatro meses faltam medicamentos no SUS
25/09/2018 | Redução de pressão de água é eficaz, mas exige medidas, diz professor
As mais lidas de Geral
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6196 dias no ar.