NOTÍCIA ANTERIOR
Conexões 4G superam as de 3G pela primeira vez no mundo
PRÓXIMA NOTÍCIA
Smartphones param de crescer e vão brigar para serem mais úteis
DATA DA PUBLICAÇÃO 5/3/2015 | Informática
Smartphones param de crescer e vão brigar para serem mais úteis
Características turbinadas fazem novos celulares ficarem mais parecidos.

Tablets sofrem, e 'computadores vestíveis' devem mexer com mercado.


Tela de 5 polegadas, processador que não fará games engasgarem ao carregar a próxima fase, câmeras que se atrás captam boas imagens até nas mãos dos fotógrafos mais inaptos, na frente tem capacidade de registrar selfies que dispensam os onipresentes paus-de-selfie.

As características descrevem os smartphones lançados durante o Mobile Word Congress (MWC) 2015, e é bom se acostumar a elas. Segundo especialistas ouvidos pelo G1, os aparelhos pararam de "crescer" e a briga agora será para fugir da mesmice.

Os vários modelos de pulseiras e relógios conectados podem ser esse sopro de mudança, assim como opções de design, desde que tenham alguma utilidade – a "tela infinita" do Galaxy S6 Edge é um exemplo, mas precisa ser mais integrada a recursos para não ser apenas peça de decoração.

Durante a feira, em Barcelona, foram lançados, entre outros aparelhos, os smartphones Zenfone 2 (Asus), os Lumia 640 e 640 XL (Microsoft), o Xperia M4 Aqua (Sony) e os novos celulares da linha Galaxy S (Samsung).

"O próximo front de batalha é a experiência do usuário, não é mais sobre os recursos. Infelizmente isso pode afetar alguns players porque é somente isso que eles têm", sentencia Roberta Cozza, diretora de pesquisa da consultoria Gartner

Todos os aparelhos citados rodam Android, o que, para a especialista, pode tornar ainda mais difícil para o consumidor diferenciar um do outro. "Infelizmente, no mercado de Android você pode escolher o aparelho que for, e ele sempre será um celular Android".

"Se você apenas falar sobre as especificações de tecnologia, não vai sobreviver", diz Cozza. "Porque você escolheria uma marca em vez da outra se o hardware é o mesmo?"

Alguns dos novos recursos, no entanto, já sinalizam serem mais do que atualizações. Exemplo disso, diz Cozza, são as bordas curvas do S6 Edge. Com elas, é possível ter algumas funções diferentes, como acesso rápido à contatos mais frequentes e informações de horário, temperatura, mensagens e notificações de apps mesmo enquanto o aparelho está desligado.

Para ela, porém, a Samsung tem de dar um passo adiante e integrar a "tela infinita" ao seu ecossistema. Durante o MWC, a fabricante sul-coreana mostrou seu sistema de pagamentos por aproximação, que vai concorrer com o Apple Pay e que se junta às funções "fitness".

Lançado em setembro de 2014, o iPhone 6 Plus, da Apple, também vai nessa linha: o tamanho espichado do celular faz a exibição de um mesmo app mudar caso o smartphone seja posicionado na horizontal ou na vertical.

Apesar do sucesso, o aparelho grandinho da Apple, de 5,5 polegadas, não deve ditar regra no mercado nem servir de exemplo parar outras empresas. "O mercado foi padronizado em torno das 5 polegadas", diz Cozza. "Essa é a tendência".

"O que a gente vê hoje é que mais de 70% dos telefones que são vendidos no mercado brasileiro têm uma tela de 4,5 polegadas para cima", afirma Roberto Soboll, diretor de produtos da Samsung. "É bobagem imaginar que o telefone só tende a crescer e no futuro ter só telas de 5,5 polegadas".

Para Soboll, com o tamanho que os smartphones possuem atualmente, porém, eles já colocam em risco a existência dos tablets, que, além disso, sofrem com uma escassez de apps próprios. O presidente da Sony Mobile no Brasil, Ricardo Junqueira, concorda. "Começa a ter uma certa canibalização pelos smartphones de tela grande".

"O mercado de tablets já atingiu sua maturidade porque os consumidores que podiam comprar, já compraram", completa a analista da Gartner.

"Existe essa teoria. Eu diria que vale muito mais para o exterior do que para o Brasil. Se você pensar na nossa realidade, tem tablets que estão abaixo de R$ 500. Difícil falar que um produto [Galaxy S6 e S6 Edge] desse nível vai canibalizar o tablet", afirma Soboll.

A corrida para o smartphone se tornar mais útil será impulsionada pelos relógios e pulseiras inteligentes, os "computadores vestíveis". "Eu acho que os 'vestíveis' são um negócio que veio para acrescentar e talvez mudar a dinâmica da indústria de smartphone, porque sozinhos não são nada", diz Junqueira. Se a tendência se confirmar, a próxima disputa, que já foi pelos olhos e pelos bolsos dos consumidores, será pelos pulsos.

Por Helton Simões Gomes Do G1, em Barcelona (Espanha) – o jornalista viajou a convite da Ericsson
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Informática
9/1/2018 | Apple lança atualização para consertar falha em chips
20/12/2017 | Firefox Quantum: como usar as principais funções do navegador
19/12/2017 | A mulher que se disfarçou de menina de 14 anos para revelar como os pedó filos atuam na internet
As mais lidas de Informática
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
17/1/2018 | Mauá premiará quem pedir CPF na nota
18/1/2018 | Calendário PIS-Pasep 2017-2018: começa pagamento para nascidos em janeiro e fevereiro
17/1/2018 | Grande ABC registra primeira morte suspeita por febre amarela
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2018 - Desde 2003 à 5433 dias no ar.