NOTÍCIA ANTERIOR
Pronatec recebe inscrição até 18 de agosto para cursos do ''segundo lote'' de vagas de 2017
PRÓXIMA NOTÍCIA
Governo veta prioridade para metas do Plano Nacional de Educação no orçamento de 2018
DATA DA PUBLICAÇÃO 09/08/2017 | Educação
Série debate a tecnologia em sala de aula e no combate ao bullying
Ponto de partida da segunda reportagem é uma pesquisa do movimento Todos Pela Educação feita em escolas públicas e particulares.

Todo mundo sabe que a escola abre as portas do mundo do conhecimento. Durante anos, a gente vai se preparando para enfrentar a vida, mas será que a escola está aberta para o que acontece lá fora? Para o que está acontecendo agora?

Em um planeta cada vez mais conectado, como é que alguém pode se sentir preparado sem dominar a tecnologia?

O Ministério da Educação informa que 97% das escolas públicas de Ensino Médio têm computadores para alunos e 74% delas têm internet de banda larga. Mas ter é uma coisa e fazer uso disso na sala de aula é outra bem diferente.

Em uma escola estadual no Rio de Janeiro, as coisas são diferentes. É uma escola pública, mantida por uma empresa de telefonia. O estado dá os professores e a companhia mantêm o prédio, todo tipo de equipamento de informática e até de áudio e vídeo.

“As aulas do técnico são intercaladas com as aulas do regular. Hoje em dia, a tecnologia é parte do dia-a-dia desses alunos, não tem como a gente brigar com a tecnologia. A gente utiliza ela a nosso favor”, diz Letycia Moreira Cardoso, professora de multimídia.

A escola existe no Rio há 9 anos, mas o mesmo projeto funciona no Recife há mais tempo, 11 anos. Mil alunos de Ensino Médio estão matriculados nas duas escolas.

A escola tem até um estúdio para os alunos gravarem programas de TV. Em termos de escola pública é outro mundo e o horário é integral.

“A nossa taxa de evasão é baixa. Baixíssima, perto de zero pode se dizer. Os alunos ingressam muito na universidade por opção. Aqueles que optam por ingressar na universidade, a maioria tem sucesso nisso”, explica Andrea Louzada Azevedo, diretora adjunta da escola.

E a tecnologia pode ajudar até no combate a uma praga! O bullying é uma praga mesmo e uma preocupação forte de quem está no Ensino Médio. “Eu já passei por isso. Ficar um ano fora da escola sem muita ajuda dos amigos, só da família. É muito difícil. Eu passei um ano inteiro em depressão por causa de escola, por causa de vários motivos dentro da escola”, conta a estudante Juliana Ferreira Gazolla, 16 anos.

Mas e se a gente pudesse ver o outro por dentro? Essa é a proposta do projeto Edupark, que vai levar essa experiência a escolas públicas. Todo mundo de óculos, começa em filme em 3D!

O filme conta a história de jovens que inventaram um óculos que mostra o que as pessoas estão sentindo. Depois dele, os alunos respondem a um questionário sobre bullying, pelo controle remoto e ninguém precisa se identificar.

“A escola pega esse relatório e vê os alunos que sofrem e os que não sofrem, acontece no refeitório, acontece no corredor. Aí fica mais fácil para a escola traçar um plano de ação e resolver o problema”, conta Andreia Ghelman, coordenadora do projeto da fundação EduPark.

Por Hélter Duarte, Rio de Janeiro - G1
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Educação
21/09/2018 | Ensino superior cresce no País, mas graças à modalidade a distância
19/09/2018 | Em crise financeira, UFABC tenta definir objetivos para 2019
18/09/2018 | Cidade francesa muda pátio de pré-escola para favorecer a igualdade de gênero
As mais lidas de Educação
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
06/04/2020 | Atualização 06/04/2020 do avanço Coronavírus na região do ABC Paulista
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6240 dias no ar.