NOTÍCIA ANTERIOR
Rios e córregos avaliados não têm água de boa qualidade
PRÓXIMA NOTÍCIA
Feira de adoção ''Eu amo, eu adoto'' em Santo André
DATA DA PUBLICAÇÃO 24/03/2017 | Setecidades
Santo André inicia obra em ''cracolândia''
 Santo André inicia obra em ''cracolândia'' Foto: Celso Luiz/DGABC
Foto: Celso Luiz/DGABC
A Prefeitura de Santo André iniciou ontem processo para retirar e dificultar posteriormente o retorno de usuários de drogas que se abrigavam sob o viaduto Dom Jorge Marcos de Oliveira, localizado na Avenida Prestes Maia.

Na parte da tarde, empresa contratada pelo governo havia iniciado intervenções no recuo existente no espaço. Conforme relato dos próprios operários, o objetivo da obra é o de dificultar o acesso. A máquina quebrava todo o concreto utilizado pelos moradores de rua como apoio.

Segundo os trabalhadores, a intenção é que após a finalização do processo o barranco fique mais alto e inacessível a quem estiver a pé. A previsão é que as intervenções sejam finalizadas em dois meses.

Cerca de 20 moradores de rua que utilizam o local como abrigo pegaram sofás e camas e permaneceram em terreno ao lado, próximo a quadra e acesso à Rua Tamarutaca.

Alguns dos usuários reclamaram o fato de nenhum funcionário da Prefeitura ter aparecido para dar assistência ou direcionamento a eles – a não ser a GCM (Guarda Civil Municipal), que fez a retirada dos mesmos durante a madrugada.

“Somos gente igual a todo mundo, inclusive igual a vocês. Gostaríamos que a Prefeitura viesse aqui e nos encaminhasse para algum local. É mais difícil ainda morar na rua quando se é mulher. Estamos mais expostas a diversos perigos”, afirmou uma mulher de 37 anos, que mora há dez nas ruas, e preferiu não se identificar.

Ela também relatou que o pouco que tinha foi retirado pela GCM. “Não tenho mais coberta, só não conseguiram tirar o meu colchão. Nos tratam com descaso apenas porque fumamos crack”, finalizou.

Outra usuária de 28 anos, que está há sete morando nas ruas da região, reclamou que ninguém avisou sobre a retirada. “Eles poderiam ter vindo aqui antes, mas fomos pegos de surpresa. Nunca fizemos mal a ninguém. Poderiam ter nos avisado antes para que tirássemos as nossas coisas.”

Questionada a respeito das obras e da reclamação da população de rua pela equipe do Diário, a Prefeitura informou apenas que “finaliza projeto para anúncio na próxima semana, quando os questionamentos serão respondidos”.

Desde o início de 2015, moradores de rua se concentram no local, chamado de cracolândia de Santo André. Anteriormente, a população ficava espalhada nas proximidades do Conjunto Vila Guiomar, o que gerou protesto de moradores em fevereiro e aumento das rondas da PM (Polícia Militar).

Próximo a outro elevado da Prestes Maia, localizado em frente à FSA (Fundação Santo André), uma base móvel da GCM do programa do governo federal Crack, É Possível Vencer foi instalada definitivamente em julho do ano passado. Nos recuos já há pedras que impedem a concentração de pessoas.

Em janeiro deste ano, a Prefeitura chegou a informar que o prefeito Paulo Serra (PSDB) tem como projeto de inclusão social oferecer vagas de emprego para vulneráveis sociais, porém não foi especificado o início da ação.

Por Yara Ferraz - Diário do Grande ABC
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Setecidades - Clique Aqui
As últimas | Setecidades
25/09/2018 | Acidente na Tibiriçá termina com vítima fatal
25/09/2018 | Santo André quer tombar 150 jazigos de cemitérios municipais
21/09/2018 | Região ganha 13 mil árvores em um ano
As mais lidas de Setecidades
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
06/04/2020 | Atualização 06/04/2020 do avanço Coronavírus na região do ABC Paulista
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6241 dias no ar.