NOTÍCIA ANTERIOR
Frota de veículos aumenta 87% no ABCD em 10 anos
PRÓXIMA NOTÍCIA
Oliveira Lima terá primeiras intervenções na terça-feira
DATA DA PUBLICAÇÃO 25/01/2013 | Setecidades
Santo André estuda comprar área ocupada por famílias de sem-teto
Santo André estuda comprar área ocupada por famílias de sem-teto Área de 50 mil metros quadrados no Jardim do Estádio está ocupada por 1,2 mil famílias desde março do ano passado. Foto: Amdanda Perobelli
Área de 50 mil metros quadrados no Jardim do Estádio está ocupada por 1,2 mil famílias desde março do ano passado. Foto: Amdanda Perobelli
Administração se mostra empenhada em negociar terreno do Jardim do Estádio ocupado por 1,2 mil famílias em março de 2012

A Prefeitura de Santo André estuda comprar a área ocupada pelo MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto) no Jardim do Estádio. De acordo com o coordenador da ocupação Novo Pinheirinho, Zezito Alves, a Administração se mostrou empenhada em negociar a compra da área com o proprietário e em trazer recursos, tanto do governo estadual quanto do federal, para que a negociação seja viável.

Alves e outros líderes dos sem-teto se reuniram nesta quarta-feira (23/01) com os secretários de Governo, Thiago Nogueira, e de Desenvolvimento Urbano e Habitação, Paulo Piagentini, e com diretores da Caixa Econômica Federal. O grupo discutiu principalmente a compra da área.

“O dono da área já disse, para a empresa que contratamos para fazer assessoria técnica da área e o projeto das moradias, que tem interesse em vender uma parte do terreno. Acho que agora nada mais trava a negociação”, afirmou o coordenador da ocupação.

Preço Negociável

Alves afirmou que o valor do metro quadrado da área gira em torno de R$ 500, o que ainda seria muito caro para projetos de habitação popular, mas que o proprietário já se mostrou disposto a negociar esse preço.

A Administração pediu ao juiz João Antunes dos Santos Neto, da 5ª Vara Cível de Santo André e que cuida do caso, mais 90 dias de prazo para que a reintegração de posse, já expedida, seja cumprida.

O prazo é necessário para que a Prefeituras tenha tempo hábil para trazer recursos para a moradia popular no município. Agora, o MTST tem seis meses para formular o projeto que vai detalhar como poderão ser os futuros apartamentos e apresentar na Secretaria de Habitação.

Auxílio-aluguel pode estar comprometido

Na reunião desta quarta-feira, o secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação, Paulo Piagentini, disse que o auxílio-aluguel, que serviria como alternativa no caso do despejo, está comprometido e que tentará fazer com que o Estado assuma o gasto.

“Disseram que a Prefeitura está endividada e que talvez tenha de remanejar recursos para poder pagar o auxílio-aluguel. Mas há a possibilidade de trazerem esse recurso pelo Estado”, afirmou o coordenador Zezito Alves.

O coordenador disse ainda que, até que as negociações se concluam, o movimento não prevê fazer passeatas e outros atos na cidade.

Na primeira semana de março deste ano, a ocupação completará um ano, e já é a mais longa ocupação do MTST na Região. Hoje, cerca de 1.200 famílias possuem barracas na área de 50 mil metros quadrados e estão no cadastro do movimento.

Por Carol Scorce - ABCD Maior
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Setecidades - Clique Aqui
As últimas | Setecidades
25/09/2018 | Acidente na Tibiriçá termina com vítima fatal
25/09/2018 | Santo André quer tombar 150 jazigos de cemitérios municipais
21/09/2018 | Região ganha 13 mil árvores em um ano
As mais lidas de Setecidades
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6288 dias no ar.