NOTÍCIA ANTERIOR
Corpo é encontrado na represa Billings
PRÓXIMA NOTÍCIA
Santander de Ribeirão Pires está fechado
DATA DA PUBLICAÇÃO 28/02/2013 | Setecidades
Rua estreita coloca alunos em risco em Santo André
Rua estreita coloca alunos em risco em Santo André Foto: Divulgação - Diário Online
Foto: Divulgação - Diário Online
Pais, professores e alunos da escola Quali Educacional Objetivo, no Jardim Santo Alberto, em Santo André, pedem atenção para a falta de segurança que enfrentam todos os dias. Nas horas de embarque e desembarque, carros, ônibus e peruas escolares dividem espaço na rua estreita e de mão dupla, colocando em risco a integridade física dos que passam pelo local.

A instituição de ensino possui 300 alunos, com idades entre 2 e 14 anos, e está localizada na Rua Almada, 379. A via é pequena para a circulação de automóveis em ambos os sentidos, além do fato de que muitos deles circulam em alta velocidade.

A diretora pedagógica, Maria Jozelma Vieira, afirma que o problema ocorre há quatro anos. "Primeiramente solicitamos à Prefeitura que fosse colocada lombada em frente à escola para que os veículos reduzissem a velocidade. No entanto, fomos informados de que não seria possível, porque prejudicaria o escoamento de água das chuvas", conta.

Tendo a resposta negativa, foi pedido então que a rua tivesse apenas um sentido, mas novamente alegaram que não seria possível porque o local é itinerário de linhas de ônibus. "Na parte de baixo da Rua Almada a mão é única. Mas aqui, onde funciona uma escola, não é. Não pedimos nada que não seja previsto em lei. Só não queremos que uma tragédia aconteça", avalia o pintor de automóveis Eder Prete dos Santos, 32 anos, pai de um aluno de 4 anos.

Para amenizar a situação, segundo Maria Jozelma, há um ano o estacionamento de carros do lado oposto à escola foi proibido e também foi pintada faixa de pedestres, mas não instalaram placas verticais que indiquem a existência de instituição de ensino. "O que adianta sinalização sem fiscalização? O mais sensato seria deixar a quadra onde fica a escola como sendo de mão única", sugere.

A enfermeira Ozeneide da Silva Griti, 29 anos, mãe de uma estudante de 4 anos, já teve o retrovisor do carro arrancado por ônibus que passava além do limite de velocidade. "Ficamos com medo até de parar o carro, porque nos sentimos muito inseguros", desabafou.

Já a dona de casa Mônica da Silva, 37 anos e mãe de dois alunos, de 11 e 13 anos, não permite que eles saiam da instituição de ensino por falta de segurança. "As pessoas não respeitam. Aqui é muito perigoso e não há espaço", reclama.

Contatada, a Prefeitura de Santo André informou que não há como tornar o trecho mencionado como mão única por causa das linhas de ônibus, já que as vias de baixo e de cima não comportam a circulação de transporte coletivo. A construção de lombada também fica impossibilitada devido ao itinerário dos ônibus e à falta de espaço.

A administração disse ainda que em relação à velocidade todos os veículos do transporte público são monitorados por localizador, mas que a fiscalização será intensificada na via. Em relação à falta de placa informando sobre a escola, alegou que será verificado se a sinalização vertical encontra-se conforme projeto de área escolar existente e que, caso esteja incompleta, será implementada.

Por Thaís Moraes - Diário do Grande ABC
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Setecidades - Clique Aqui
As últimas | Setecidades
25/09/2018 | Acidente na Tibiriçá termina com vítima fatal
25/09/2018 | Santo André quer tombar 150 jazigos de cemitérios municipais
21/09/2018 | Região ganha 13 mil árvores em um ano
As mais lidas de Setecidades
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6195 dias no ar.