NOTÍCIA ANTERIOR
CPI das OSs de Saúde miram SPDM e FUABC
PRÓXIMA NOTÍCIA
Morando decreta intervenção contra a retomada da Octágono ao pátio
DATA DA PUBLICAÇÃO 13/07/2018 | Política
Ribeirão tenta apoio para restaurar Fábrica de Sal
 Ribeirão tenta apoio para restaurar Fábrica de Sal Foto: Denis Maciel/DGABC
Foto: Denis Maciel/DGABC
A Prefeitura de Ribeirão Pires, chefiada por Adler Kiko Teixeira (PSB), busca firmar convênio com o Sesi (Serviço Social da Indústria) para restauração da Fábrica de Sal e construção de outra unidade escolar da entidade no município. O acordo, segundo o Paço, envolve aporte de R$ 30 milhões para a revitalização do prédio fabril e a implantação do equipamento de ensino em anexo ao terreno onde fica a fábrica.

Em contrapartida, o município faria a concessão da área ao Sesi. O prédio centenário foi tombado pelo Condephaat-SP (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico e Turístico do Estado de São Paulo) em fevereiro deste ano. O plano, que ainda passará por apreciação da Câmara, será encaminhado por Kiko na semana que vem. O recesso parlamentar será levantado para que o projeto seja votado.

“Estive em uma reunião ainda hoje (ontem) com os parlamentares e com representantes do Sesi para poder apresentar o projeto aos vereadores. A grande maioria entendeu a importância do convênio para a cidade”, alegou Kiko.

A proposta, de acordo com Kiko, poderá ser aprovada em até um ano, enquanto as ações de construção e revitalização poderiam ser realizadas em até dois anos. O Sesi estima que todas as obras levarão três anos e meio a partir do instante em que houver a disponibilização do terreno, sendo um para o projeto, seis meses para as licitações e mais dois anos para a construção.

A parceria, segundo o prefeito, pode impactar em três benefícios para Ribeirão. A Fábrica de Sal revitalizada e sendo utilizada como uma área cultural e de turismo, um prédio do Sesi mais moderno para os alunos e o possível aumento de comércios.

Em Ribeirão Pires já há um prédio que abriga uma escola do Sesi, mas a unidade está instalada em espaço que sofre risco de deslizamento de terra, caso que levou à sua interdição em 2010. O órgão, assim que efetuadas as construções da nova escola, devolveria o imóvel antigo para a cidade. Por meio de nota, o Sesi confirmou as informações e explicou que a operação encontra-se em fase de aprovação na Câmara da cidade.

A entidade apontou ainda que o terreno a ser doado pela Prefeitura é onde encontra-se a antiga fábrica, na Avenida Humberto de Campos, 84, no Centro. Conforme informações do Sesi, o prédio fabril será preservado e restaurado de maneira oportuna e que essa restauração depende ainda de estudo do nível de necessidade de restauro e do uso que será dado a este prédio. Por isso, os valores dependem dessas variáveis, bem como a determinação de prazos futuros.

O prédio onde atualmente funciona a escola do Sesi na cidade, por sua vez, será devolvido à municipalidade assim que o novo projeto estiver terminado, já que o imóvel foi cedido e não doado.

Por Daniel Tossato - Diário Online
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Política
25/09/2018 | Bolsonaro inicia dieta branda e faz caminhada fora do quarto, diz boletim
21/09/2018 | Bolsonaro diz nunca ter cogitado volta da CPMF e fixa postagem no seu Twitter
20/09/2018 | Ibope: Em São Paulo, Bolsonaro se isola com 30% das intenções de voto
As mais lidas de Política
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6331 dias no ar.