NOTÍCIA ANTERIOR
Novas regras não devem ter grande impacto para veículos, diz secretário
PRÓXIMA NOTÍCIA
Porsche irá ao Salão de Detroit e diz que prepara ''algo espetacular''
DATA DA PUBLICAÇÃO 05/12/2010 | Veículos
Primeiras impressões: Renault Fluence
A Renault quer uma nova chance no segmento de sedãs médios no Brasil, que apesar de perder espaço para os SUV`s, ainda é um dos mais promissores do mercado nacional. O líder, Toyota Corolla, vendeu pouco mais de 49 mil unidades até novembro deste ano, enquanto o Civic registrou o montante de 27,8 mil unidades no período.

Depois da experiência com o Mégane, a marca francesa aposta agora no Fluence com os pés mais no chão: a estimativa é vender 20 mil unidades em 2011 e tirar da frente apenas o Chevrolet Vectra - que ocupa a terceira posição no ranking. Se a meta se confirmar, o novo sedã será o principal responsável por elevar de 150 mil para 180 mil as vendas da fabricante no país no ano que vem.

Para chamar atenção do consumidor, o Fluence usa a mesma receita dos modelos mais populares da marca e quer conquistar pela relação custo-benefício. A partir de R$ 59.990, o novo sedã francês sai de fábrica com seis airbags, acendimento automático dos faróis, freios ABS com distribuição eletrônica da força de frenagem (EBD) e assistência a frenagem de emergência (AFU), faróis de neblina, sensor de chuva, ar condicionado digital de duas zonas, chave-cartão e rádio CD MP3.

O Vectra, por exemplo, é quase R$ 3 mil mais em conta (R$ 57.252), mas comparado com o pacote do Fluence tem de semelhante apenas os airbags, no caso do sedã da GM disponível somente para motorista e passageiro. A versão intermediária, Elegance, é a que mais se aproxima da configuração de entrada do modelo da Renault, mas tem preço sugerido de R$ 63.147 e traz quatro bolsas infláveis a menos.

Na versão topo de linha, Privilège, avaliada pelo G1, o sedã conta ainda com controle eletrônico de estabilidade (ESP) e controle de tração (ASR), sensor de estacionamento traseiro, banco com revestimento em couro, dois tons no acabamento interno, retrovisores rebatíveis, piloto automático e sistema de som 3D. Nesta configuração, oferecida apenas com a transmissão CVT, o preço sobe para R$ 75.990.

O destaque entre os equipamentos é o sistema de navegação GPS desenvolvido em parceria com a TomTom que reúne em uma tela de cinco polegadas as informações sobre a rota, horário, temperatura externa e do sistema de som que são acionados por meio de um controle remoto. O condutor pode escolher ainda se a voz será de uma mulher ou de um homem e optar pelo português do Brasil ou de Portugal. Há ainda, no pacote de opcionais, faróis de xênon e teto solar elétrico, que acrescentam R$ 4 mil ao valor do modelo topo de linha.

No tamanho, o Fluence também leva vantagem. Ele é o maior, mais largo e carrega mais bagagem do que os principais concorrentes. Apenas o entreeixos de 2,70 m é idêntico ao do Civic e do Vectra. No entanto, o caimento acentuado da coluna C prejudica a entrada de passageiros mais altos na fileira traseira e há a possibilidade de a cabeça encostar no teto, dependendo da altura.

Na unidade avaliada pelo G1 a trava do cinco de segurança do banco de trás, do lado esquerdo, não prendia o dispositivo e a regulagem do encosto do assento do motorista girava em falso, o que impediu de acharmos uma boa posição para dirigir. Pode ser uma falha pontual, mas desanima qualquer cliente que acaba de sair com o carro da concessionária.

Já o acabamento interno é bom, com duas tonalidades na cabine, revestimento em couro - disponíveis na Privilège -, detalhes cromados, peças bem encaixadas e partes emborrachadas no painel e no interior das portas dianteiras. Nas portas traseiras, no entanto, foi utilizado apenas plástico que, por ter a mesma cor e textura, engana ao olhar.

Sob o capô está o motor 2.0 de 16V Flex que entrega 90% dos 20,3 kgfm de torque a 2.000 giros, disposição que empurra com tranquilidade os 1.369 kg do sedã – o mais pesado entre os rivais. Mas, a proposta do Fluence é ser confortável. A transmissão CVT, que não tem trocas de marchas, o bom isolamento acústico e a suspensão mais macia provam isso.

O Fluence representa exatamente a ambição da Renault: ocupar a terceira posição no ranking das montadoras. Atualmente ela é a quinta colocada, atrás apenas das quatro grandes fabricantes nacionais (Fiat, VW, GM e Ford) e pretende em até cinco anos virar esse jogo. Para isso, está trabalhando simultaneamente na valorização da marca e no lançamento de novos produtos, sem deixar de lado o fator preço que é o grande trunfo da marca no país.

Por Milene Rios - G1, em São Paulo
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Veículos
19/09/2018 | Volkswagen faz recall de uma unidade do Tiguan Allspace
19/09/2018 | Detran.SP leiloa 287 veículos na Grande São Paulo
18/09/2018 | Prefeitura de SP lança site para divulgar dados sobre acidentes de trânsito
As mais lidas de Veículos
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2021 - Desde 2003 à 6797 dias no ar.