NOTÍCIA ANTERIOR
Nissan March ganha motor 1.0 de 3 cilindros a partir de R$ 35.990
PRÓXIMA NOTÍCIA
Ka começa 2015 à frente do Gol entre carros mais vendidos
DATA DA PUBLICAÇÃO 02/02/2015 | Veículos
Primeiras impressões: Nissan March 1.0 com motor 3 cilindros
Versão parte de R$ 35.990, com ar e direção elétrica de série.

Trunfo do propulsor é entregar força já em baixas rotações.


De origem japonesa, a Nissan, instalada no Brasil em abril do ano passado, parece mesmo querer fincar suas raízes em solo nacional. Para isso, apresentou uma nova motorização para o compacto March na casa de uma das escolas de samba mais conhecidas do Brasil, o Salgueiro, no Rio de Janeiro.

O propulsor escolhido para substituir o 1.0 16V de 4 cilindros feito pela Renault é um 1.0, mas de 3 cilindros, configuração que vem ganhando espaço entre as montadoras – Kia, Hyundai, Volkswagen, Ford, Chery e Geely já possuem modelos com motorização semelhante. Esse motor também equipará o sedã Versa nacional, que será lançado em breve.

Com 77 cavalos, tanto na gasolina como no etanol, ele é 3 cv mais potente do que o antecessor. O torque, nos dois casos, é de 10 kgfm. Além da força adicional, a novidade também é mais leve e moderna. O bloco é de alumínio e o tanquinho de partida a frio foi dispensado.

Por trás do novo motor, está a filosofia da Nissan no país, na ponta da língua dos executivos da marca: “Não queremos ser conhecidos por termos o motor mais potente da categoria. Queremos o reconhecimento pela qualidade e durabilidade do nosso produto”, diz Jean-Philippe Thery, gerente de produto da Nissan. No caso 1.0 dos tricilíndros, o mais potente é o que equipa o novo Ford Ka, de 85 cv com álcool.

Melhoria nas respostas
Se a Nissan não se preocupou com o número final de potência, o mesmo não pode ser dito da condução do modelo. A marca japonesa fez com que o novo motor tivesse como prioridade a entrega de torque em rotações mais baixas, o que faz diferença na condução no trânsito da cidade.

O G1 andou no March 1.0 no Rio, em um trajeto de 50 km, na maior parte do percurso em vias sem trânsito pesado. Na comparação com o motor de 1 litro e 4 cilindros, as respostas são mais instantâneas, resultando em agilidade em arrancadas e retomadas.

Se antes, os 10 kgfm só estariam disponíveis em 4.350 rpm, agora ele é integral já em 4.000 rpm. Aliás, com 2.000 rpm, o novo motor entrega quase 9 kgfm, enquanto, na mesma faixa, o antigo oferecia menos de 8 kgfm.

Esperto por um lado, 'bobo' por outro
Além de ser “espertinho” em baixas e médias rotações, o motor é "elástico", podendo chegar aos 7 mil giros sem comprometer o ouvido dos ocupantes. Este crédito vai para a engenharia, que alongou a relação na quinta marcha.

No entanto, durante o teste, principalmente acima dos 60 km/h, a comunicação entre a direção e as rodas se mostrou anestesiada em demasia. Com assistência elétrica, a direção poderia ser mais progressiva. E a suspensão, apesar do ajuste mais rígido, deixa o hatch rolar demais em curvas.

Na comparação com outros 3 cilindros, o March apresenta equilíbrio, tanto no desempenho, como nas vibrações. O desempenho, mesmo com ar-condicionado ligado, não decepciona. É claro que enfrentar ladeiras poderá exigir reduções de marcha, mas isso não é demérito, considerando o motor diminuto e a potência.

Em relação a vibração e ruídos, o March é menos “agitado”, por exemplo, do que o Up!, mas vibra mais e faz mais barulho do que o Ka. Vale lembrar que motores de 3 cilindros já apresentam maiores vibrações do que os de quatro cilindros. Para anular este inconveniente, a Nissan diz que colocou contrapesos nas extremidades da parte baixa do motor.

Consumo
A economia de combustível é uma das premissas dos motores de 3 cilindros. No teste, o computador de bordo do March registrou a média de 16,1 km por litro de combustível, com gasolina, em um percurso urbano com velocidade média de 60 km/h, quase sempre feito em quarta marcha.

A Nissan divulga que a média é de 10,3 km com 1 litro de combustível na estrada e 8,8 km/l na cidade, quando o hatch é abastecido com álcool. Com gasolina, as médias sobem para 15,1 km/l e 12,9 km/l, respectivamente.

As médias são muito parecidas com as do Ka 1.0, segundo dados do Inmetro. No Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular, o Ka 1.0 faz 10,4 km/l (estrada) e 8,9 km/l (cidade), com etanol. Com gasolina, as médias ficam em 15,1 km/l na estrada e 13 km/l para trechos urbanos.

O Up! vai a 10,2 km/l na estrada e 9,2 km/ na cidade, com álcool. Com gasolina, as médias aumentam, respectivamente, para 14,6 km/l e 13,5 km/l.

Também com motor tricilíndrico, o HB20 1.0 registra 9,8 km/l na estrada e 8,3 km/l na cidade, com álcool. As médias com gasolina são 11,8 km/l e 8,9 km/l.

Sem mudanças estéticas

Ao ganhar o novo motor, o March sofreu um aumento de R$ 1,6 mil em todas as versões. Segundo a Nissan, a alta se deve à volta da alíquota integral do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e o repasse nas versões com o novo motor foi menor do que a alta do tributo.

Mesmo mais caro, todas as versões do March são bem equipadas. Na Conforto, de R$ 35.990, há direção elétrica e ar. A partir da versão S, de R$ 37.990, são incluídos vidros e travas elétricos e alarme. Na mais completa com motor 1.0, a SV, há ainda, rádio com conexão Bluetooth, faróis de neblina, volante multifuncional e rodas de liga leve de 15 polegadas. Ela custa R$ 40.990.

Com motor 1.6, os preços também começam em R$ 40.990, na versão S. Não é coincidência. “Com o mesmo valor, o cliente pode escolher entre uma versão mais equipada ou um motor mais forte. Não temos preferência entre um ou outro motor, o importante é o cliente ficar na Nissan”, comentou Thery.

A configuração SV com motor 1.6 sai por R$ 43.990, e a SL, que tem, ainda, ar-condicionado digital, central multimídia, câmera digital e rodas de 16 polegadas.

Continua à venda a versão Active, também produzida em Resende, mas com visual da geração anterior e motor 1.0 de 4 cilindros (74 cv e também 10 kgfm de torque). Ela custa R$ 34.390. "Se a demanda pedir, fazermos a alteração", diz o gerente de produto.

Mercado
Com a troca do motor, a Nissan espera manter o número de vendas mensais que o March alcançou em dezembro do ano passado, de 3 mil unidades mensais. O discurso da marca não é crescer desenfreadamente, mas dando um passo de cada vez.

Para a montadora, o motor 1.0 deverá representar 48% do mix de vendas, com o restante sendo completado pelo 1.6.

A Nissan descarta enviar o motor 1.0 de 3 cilindros para a parceira Renault utilizar em modelos como Clio, Sandero ou Logan. “A prioridade da nossa fábrica é ajudar a Nissan a crescer no Brasil”, falou o gerente de produto.

Conclusão
O March, que já apresentava bom custo benefício quando equipado com motor de 4 cilindros, ficou ainda mais atraente. Mais do que a melhoria no desempenho, o hatch ficou mais agradável de dirigir, sobretudo na cidade.

Na vasta categoria dos compactos, opções não faltam. Mas o Nissan, com um equilibrado conjunto, faz parte da seleção das melhores opções, junto com o Ka, Up! e HB20, que têm como "armas", projetos mais refinados, apesar do preço mais alto. Se o motor de 3 cilindros não for prioridade, há o “descolado” Chevrolet Onix, e os veteranos, Gol e Palio.

Por André Paixão - G1, no Rio
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Veículos
19/09/2018 | Volkswagen faz recall de uma unidade do Tiguan Allspace
19/09/2018 | Detran.SP leiloa 287 veículos na Grande São Paulo
18/09/2018 | Prefeitura de SP lança site para divulgar dados sobre acidentes de trânsito
As mais lidas de Veículos
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6194 dias no ar.