NOTÍCIA ANTERIOR
Fiat negocia possível fábrica com o governo de Pernambuco
PRÓXIMA NOTÍCIA
Cidade da Grande SP testa placas de trânsito feitas de material reciclado
DATA DA PUBLICAÇÃO 11/12/2010 | Veículos
Primeiras impressões: Ford Edge 2011
Há exatamente dois anos a Ford iniciava a venda do crossover (mistura de SUV e sedã) Edge no Brasil. Em 2008, a novidade causou má impressão logo de cara: tinha preço inicial de R$ 149,7 mil. A estimativa de vendas da fabricante era de 250 unidades por mês, mas o modelo só conseguiu uma média de 100 modelos/mês durante 2009; neste ano, até novembro, o volume caiu quase pela metade, para 55 unidades ao mês.

A Ford entendeu o recado dos consumidores e três meses após a estreia da linha 2011 do Edge nos Estados unidos e Canadá, país onde o modelo é fabricado, traz a novidade ao mercado nacional, com equipamentos tecnológicos de última geração e mais itens de conforto e segurança por quase R$ 9 mil a menos. A nova linha começa em R$ 122.100 (SEL), R$ 8.850 mais em conta do que os R$ 130.950 da última atualização na tabela de preços do Edge anterior.

O G1 andou na versão Limited, a topo de linha, que parte de R$ 133.910, mas, se equipada com o teto solar panorâmico, tem o preço elevado para R$ 142.610. Sem o teto, agora o Edge é bastante competitivo frente aos modelos que a fabricante encara como concorrentes diretos, entre eles o Mitsubishi Pajero (R$ 169.990), o Hyundai Vera Cruz (R$ 139.900) e o Land Rover Freelander 2 (R$ 115.900).

Carro familiar
O retoque no visual impressiona à primeira vista, com o capô mais alto e a grade cromada ainda maior, chegando a invadir o para-choque. Apesar da “cara” de mau, sob o capô -e também na cabine- é um carro com vocação extremamente familiar. O motor V6 3.5 recebeu 20 cavalos de potência extras (289 cv) ao mesmo tempo em que ganhou 50 kg na balança, o que continua deixando o carro um pouco amarrado nas acelerações e retomadas de velocidade.

Para animar os mais esportivos, a marca adotou na transmissão automática de seis velocidades a opção de trocas sequenciais que, por serem feitas por meio de botões, na manopla do câmbio, não empolgam muito. O que anima mesmo é a parafernália eletrônica que inclui o sistema My Ford Touch com duas telas de LCD configuráveis no quadro de instrumentos comandadas por botões no volante.

Em português, não
São tantas funções e informações que a fabricante agrupou os recursos e adotou cores diferentes para ajudar na assimilação. O sistema de entretenimento, que inclui o CD-player, USB, cartão de memória e entrada de vídeo, por exemplo, é mostrado em vermelho. O ar-condicionado, em azul; as ligações telefônicas, em amarelo, e a bússola e informações sobre o trajeto, ficam em verde. Há ainda a opção por comando de voz, mas o sistema exige que o motorista fale inglês, espanhol ou francês -não reconhece o português.

A vida a bordo também é muito prazerosa pela amplitude e o bom acabamento interno. Há espaço de sobra para cinco pessoas, que viajam confortavelmente e não precisam ser comedidas na hora de fazer as malas. São 909 litros de bagagem, que podem chegar a 1971 litros com os bancos traseiros rebatidos (eletricamente por meio de botões na parede lateral esquerda do porta-malas). A abertura e o fechamento do compartimento de bagagem também é elétrica.

Sistema permite limitar velocidade
Os bancos de couro mais parecem poltronas e oferecem até 10 regulagens elétricas para o motorista e seis para passageiros. Por falar em regulagem, há o sistema de chave MyKey, que permite configurar o veículo antes de entregá-lo nas mãos de um manobrista ou de um familiar. É possível limitar a velocidade do carro para 130 km/h, reduzir em 45% a potência do sistema de som e manter o controle de tração integral sempre ativado. Outra novidade no crossover é o sistema que indica a presença de outros veículos durante a mudança de faixa e um alerta sonoro que aponta a presença de um obstáculo na traseira ao engatar a marcha a ré.

Mas o ponto alto é a segunda geração do sistema de comunicação e entretenimento batizado de Sync, com comando de voz e conectividade para celular Bluetooth, iPods e MP3-players, além de DVD e tela LCD de 8 polegadas touch screen. Na versão topo de linha, o sistema de som é da Sony, com 12 alto-falantes – antes eram oito – e um amplificador totalmente digital que gera 390 watts de potência.

O Edge já está fazendo barulho no mercado nacional. A fabricante afirmou que nas três semanas de pré-venda do modelo foram comercializadas 210 unidades. Levando-se em consideração o pico de vendas do lançamento, comum a todos os modelos, o número é bastante expressivo, já que nos 11 meses deste ano foram vendidas 610 unidades do modelo anterior.

Por Milene Rios - G1, em São Paulo
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Veículos
19/09/2018 | Volkswagen faz recall de uma unidade do Tiguan Allspace
19/09/2018 | Detran.SP leiloa 287 veículos na Grande São Paulo
18/09/2018 | Prefeitura de SP lança site para divulgar dados sobre acidentes de trânsito
As mais lidas de Veículos
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2022 - Desde 2003 à 6893 dias no ar.