NOTÍCIA ANTERIOR
Nem tempo chuvoso atrapalha ações no Grande ABC
PRÓXIMA NOTÍCIA
Após 4 anos, dono de loja de fogos é condenado
DATA DA PUBLICAÇÃO 24/09/2013 | Setecidades
Poluição mata mais que os acidentes de trânsito
 Poluição mata mais que os acidentes de trânsito Foto: Claudinei Plaza/DGABC
Foto: Claudinei Plaza/DGABC
As consequências da poluição do ar matam mais gente no Grande ABC do que os acidentes de trânsito. Pesquisa inédita feita pelo Instituto Saúde e Sustentabilidade aponta que, em 2011, 936 pessoas morreram em razão de complicações provocadas pela inalação de poluentes. No mesmo ano, o Ministério da Saúde aponta 235 mortes na região por ocorrências ligadas aos transportes.

Para chegar às estatísticas, o instituto cruzou dados da Cetesb (Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental) com informações da OMS (Organização Mundial da Saúde). A pesquisa foi divulgada ontem em evento na Câmara Municipal de São Paulo.

Santo André é a cidade da região com mais casos registrados: 302 mortes, seguida de perto por São Bernardo, com 300. Em seguida, aparecem Mauá (140), Diadema (115) e São Caetano (106). Em todo o Estado, foram computados 17.443 óbitos em decorrência das toxinas no ar. Não há estatísticas disponíveis sobre Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra.

A poluição também provoca forte impacto nos cofres públicos. Foram gastos R$ 5,8 milhões em 2011 com internações. Problemas cardiovasculares e respiratórios são a maioria dos casos que demandaram permanência dos pacientes em hospitais. Outra consequência comum é o câncer.

“Com R$ 5,8 milhões é possível fazer um Ambulatório Médico de Especialidades equipado ou custear o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) da região. E esse valor está subestimado. Não são computadas as faltas dos trabalhadores, os remédios comprados e a redução da expectativa de vida”, comenta o médico e professor da USP (Universidade de São Paulo) Paulo Saldiva, especialista em poluição do ar.

O nível médio de emissão de materiais particulados no Grande ABC é de 22,34 microgramas por metro cúbico – mais que o dobro dos dez considerados como aceitáveis pela OMS. São Bernardo (24,19) e São Caetano (23,23) lideram a lista. Uma das medidas sugeridas por Saldiva para diminuir o lançamento de poluentes é a expansão da inspeção veicular ambiental – hoje feita apenas na Capital – para todo o Estado.

Em maio, a Justiça paulista acatou liminar do Ministério Público para que o procedimento seja obrigatório em todos os municípios de São Paulo, mas o prazo para início é apenas a metade do ano que vem. “Um ponto positivo é o fato de que, a partir do momento em que uma cidade opta por limpar o ar, os impactos são quase imediatos”, garante o médico.

Já a médica Evangelina Vormittag, presidente do instituto, cobra a criação de leis que imponham limites rigorosos à emissão de poluentes por parte de veículos automotores e indústrias. “Faltam políticas públicas de combate para diminuir isso, especialmente no Grande ABC, cuja característica industrial é muito forte.”

Evangelina acrescenta que, além da quantidade de substâncias que é lançada ao ar, o clima também influencia nas medições. “Em 2009, por exemplo, foram registrados índices inferiores aos que estamos acostumados. Mas foi um ano atípico, considerando as condições climáticas muito favoráveis para a dispersão de poluentes, como a chuva e o vento. Quanto mais seco o tempo, pior. Isso se reflete também na saúde.”

Por Fábio Munhoz - Diário do Grande ABC
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Setecidades - Clique Aqui
As últimas | Setecidades
25/09/2018 | Acidente na Tibiriçá termina com vítima fatal
25/09/2018 | Santo André quer tombar 150 jazigos de cemitérios municipais
21/09/2018 | Região ganha 13 mil árvores em um ano
As mais lidas de Setecidades
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6335 dias no ar.