NOTÍCIA ANTERIOR
Sem acordo, metrô continua parado em SP
PRÓXIMA NOTÍCIA
Governo lança Proteja O Gol para prevenção ao HIV e aids na Copa
DATA DA PUBLICAÇÃO 09/06/2014 | Geral
PM detém grevistas após tumulto na estação Ana Rosa do Metrô em SP
Segundo major que comandou ação, 13 pessoas foram levadas à delegacia.

Greve dos metroviários entrou em seu quinto dia nesta segunda-feira.


A Polícia Militar deteve para averiguação 13 pessoas na manhã desta segunda-feira (9) que tentavam impedir a entrada de funcionários na Estação Ana Rosa do Metrô, na Zona Sul de São Paulo, segundo o major Robson Cabanas. Os grevistas foram levados para o 36 DP, no Paraíso.

Após liberar a entrada da estação, os policiais entraram em confronto com manifestantes na Rua Vergueiro. Uma barricada com lixo pegando fogo havia sido montada pelos participantes do protesto e fechou a via no sentido Jabaquara.

Na ação, a PM chegou a usar bombas de gás. Alguns manifestantes revidaram atirando objetos nos policiais. A Força Tática e a Tropa de Choque atuaram no local, e a via foi liberada por volta das 7h. Os manifestantes dispersaram

A ação da PM nesta segunda-feira na Estação Ana Rosa foi a segunda desde o início da greve. Na sexta-feira, a Força Tática entrou em confronto com grevistas dentro da mesma estação. O comandante-geral da PM, Benedito Roberto Meira, afirmou na sexta que a ação havia sido correta.

Greve abusiva
Por unanimidade, o Tribunal Regional do Trabalho (TRT) julgou abusiva a greve dos metroviários de São Paulo. A Corte manteve as multas diárias de R$ 100 mil aplicadas aos sindicatos. Se os trabalhadores decidirem pela continuidade da greve mesmo após o julgamento do dissídio, a multa passará a ser de R$ 500 mil por dia.

"Das 0h do dia 5 até aqui, nós vamos computar 100 mil por dia de multa, pode ser considerada por fração. Depois do julgamento, as partes estão cientes, nós vamos computar 500 mil por dia", afirmou o desembargador Rafael Pugliese.

Ficou definido ainda que não haverá estabilidade de emprego para os grevistas e que os dias parados serão descontados. "A greve realizada de forma irregular não pode ser fundamento do pagamento de um trabalho que não existiu", disse Pugliese, que exige o fim imediato da paralisação.

O tribunal interferiu na pauta de reivindicações salariais e ratificou a proposta feita pelo Metrô. "Defiro o índice de 8,7% dos salários de 30 de abril de 2014 oferecido pelo Metrô", disse o desembargador

Segundo ele, é preciso considerar a "boa fé e capacidade financeira" de pagamento do Metrô. Os metroviários pedem aumento de 12,2%.

Após consenso entre as partes, o piso salarial será de R$ 1.606,69, menor valor pago hoje pela Companhia. O plano de carreira será discutido daqui a seis meses.

"O resultado do tribunal obviamente não agradou a categoria metroviária. Esse reajuste é inferior ao que o próprio núcleo do tribunal tinha proposto, isso significa que o TRT cedeu à proposta do Metrô, que é inferior", disse o presidente do Sindicato dos Metroviários, Altino Melo dos Prazeres.

Em nota, o Metrô declarou que respeita a decisão TRT e que cumprirá as determinações da Justiça. "A Companhia aguarda o retorno imediato dos empregados ao trabalho para que o sistema volte a operar integralmente. Os excessos apurados durante a greve serão tratados em conformidade com os instrumentos internos e a legislação trabalhista", afirma o texto.

Por Debora Pivotto - G1, em São Paulo
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Geral
25/09/2018 | Golpe do ''motoboy'' é o crime da moda
25/09/2018 | Há quatro meses faltam medicamentos no SUS
25/09/2018 | Redução de pressão de água é eficaz, mas exige medidas, diz professor
As mais lidas de Geral
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6189 dias no ar.