NOTÍCIA ANTERIOR
Perda precoce de memória pode ser sinal de demência
PRÓXIMA NOTÍCIA
Anvisa vai notificar laboratório por ter tirado anticoncepcional do mercado
DATA DA PUBLICAÇÃO 22/09/2010 | Saúde e Ciência
Pesquisadores do Espírito Santo testam vacina tetravalente contra a dengue em crianças
Pesquisadores brasileiros iniciaram um estudo clínico experimental para testar a segurança de uma vacina tetravalente (que inclui os quatro tipos de vírus) contra a dengue em crianças.

A pesquisa está sendo conduzida pela Ufes (Universidade Federal do Espírito Santo) e é patrocinada pelo laboratório Sanofi-Pasteur, que estuda o desenvolvimento de uma vacina há dez anos.

De acordo com o infectologista Reynaldo Dietze, responsável pela condução do estudo no Brasil e diretor do Núcleo de Doenças Infecciosas da Ufes, 150 voluntários de nove a 16 anos receberão três doses da vacina em intervalos de seis meses.

Após o término das doses, esses voluntários serão acompanhados por mais seis meses para avaliar possíveis efeitos colaterais (como dor local e dor de cabeça) e também a produção de anticorpos contra os quatro vírus.

A escolha do público infantil para a testagem da vacina não aconteceu por acaso. Desde 2006 os casos graves de dengue passaram a ser mais comuns em pessoas com menos de 15 anos. Hoje elas representam 25% do total de casos, enquanto há 10 anos não chegavam a 2%.

Além disso, as vacinas eficazes na população infantil costumam funcionar bem entre os adultos, diz Fernando Noriega, vice-presidente de Desenvolvimento Clínico da Sanofi-Pasteur.

Armadilhas

Neste primeiro momento o estudo está acontecendo em Vitória. A cidade foi escolhida, segundo Dietze, porque a prefeitura mantém um programa intenso de monitoramento da doença com 1.400 armadilhas espalhadas por todos os bairros da cidade.

Essas armadilhas atraem as fêmeas do mosquito e elas são enviadas para análise em laboratório. Assim, é possível saber quais fêmeas estavam infectadas com dengue e por qual sorotipo do vírus.

"Esses dados ajudam a prefeitura a focar as medidas de controle, pois é possível saber em quais bairros têm mais mosquitos e quais bairros possuem mais mosquitos infectados", diz Dietze.

Após a conclusão dessa fase do estudo, se comprovada a segurança da vacina, o laboratório dará continuidade ao estudo incluindo quatro capitais endêmicas e envolvendo 8.000 voluntários.

A previsão é que os resultados preliminares do estudo saiam até o final de 2012, mas não há prazo para a vacina chegar ao mercado.

Por Fernanda Bassette - Folha Online, São Paulo
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Saúde e Ciência
20/09/2018 | Campanha contra sarampo e poliomielite segue na região
19/09/2018 | É melhor dormir com ou sem meias?
19/09/2018 | Forma de andar mostra os vícios de postura
As mais lidas de Saúde e Ciência
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6195 dias no ar.