NOTÍCIA ANTERIOR
Oposição convoca greve geral na Venezuela
PRÓXIMA NOTÍCIA
Ataque com serra elétrica deixa feridos na Suíça, diz imprensa
DATA DA PUBLICAÇÃO 21/07/2017 | Internacional
Palestinos entram em confronto com policiais israelenses após restrição no acesso a Jerusalém
Israel proibiu homens de menos de 50 anos de ter acesso à Esplanada das Mesquitas nesta sexta. Palestinos se revoltaram contra medida.

Palestinos entraram em confronto com policiais israelenses após a restrição no acesso à Cidade Velha de Jerusalém. Homens de origem palestina com menos de 50 anos tiveram barrada a entrada na Esplanada das Mesquitas, impedindo que eles participassem da oração muçulmana desta sexta-feira (21). A restrição provocou revolta entre os palestinos.

A polícia divulgou um comunicado afirmando que a “entrada na Cidade Velha e ao Monte do Templo (Esplanada das Mesquitas para os muçulmanos) ficou limitada aos homens de 50 anos, ou mais, e às mulheres de qualquer idade", segundo a France Presse.

A segurança foi reforçada e cerca de 3 mil soldados foram mobilizados para fazer a segurança na região. Vários pontos de controle foram montados para evitar grandes mobilizações.

Impedidos de entrar na Cidade Velha, os palestinos começaram a protestar nas ruas próximas e jogar pedras contra soldados israelenses. A polícia usou bombas de gás lacrimogêneo para dispersá-los, segundo a Associated Press.

A Esplanda das Mesquitas (chamada de Monte do Templo pelos israelenses) é o terceiro local mais sagrado para o islã depois de Meca e Medina, na Arábia Saudita.

Medidas pós-ataque

A nova restrição, adotada em um momento de grande tensão, é mais uma reação do estado de Israel após o ataque que deixou dois policiais israelenses e três palestinos suspeitos mortos na sexta-feira (14). Logo após o ataque, o acesso à Cidade Velha ficou fechado e foi reaberto no sábado (15) após a instalação de detectores de metal. A medida provocou revolta entre os palestinos, mas a polícia afirma que os detectores de metal são necessários para evitar novos ataques.

O grande mufti de Jerusalém (jurista muçulmano cujas decisões podem ter valor de lei) e outras autoridades islâmicas fizeram um apelo para que a comunidade se negue a acatar as ordens de segurança e passar pelos detectores. Desde sábado, os fiéis palestinos rezaram do lado de fora da cidade murada em protesto contra as restrições de acesso.

A Jordânia, responsável pela administração da Mesquita de Al Aqsa, fez sucessivos apelos para que Israel remova os detectores de metal. Israel e a Jordânia cooperam em questões de segurança, mas as discordâncias entre os dois países são frequentes. Na sexta-feira, vários milhares de jordanianos protestaram contra Israel na capital jordaniana, Amã.

Por G1
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Internacional
20/09/2018 | Buscas por desaparecidos continuam nas Filipinas após passagem do tufão Mangkhut
19/09/2018 | Noiva morre após acidente com trator durante despedida de solteira na Áustria
18/09/2018 | Justiça da África do Sul legaliza o consumo privado de maconha
As mais lidas de Internacional
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
06/04/2020 | Atualização 06/04/2020 do avanço Coronavírus na região do ABC Paulista
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6240 dias no ar.