NOTÍCIA ANTERIOR
Nova cirurgia corrige problema de feto ainda na barriga da mãe
PRÓXIMA NOTÍCIA
Molécula combate 3/4 dos vírus de gripe
DATA DA PUBLICAÇÃO 27/02/2009 | Saúde e Ciência
Palavras ''eu'' e ''nós'' eram usadas há 40 mil anos, diz estudo
Cientistas da Universidade de Reading, na Grã-Bretanha, acreditam que palavras como "I" e "we" ("eu" e "nós" em inglês, respectivamente) já eram usadas há cerca de 40 mil anos. Entre outros termos que estariam entre os mais antigos da língua inglesa também figuram "two" ("dois") e "three" ("três").

Os pesquisadores usaram um supercomputador IBM para analisar a taxa de mudanças das palavras ao longo do tempo e dizem que podem, inclusive, prever termos que têm chances de serem extintos. Segundo eles, fazem parte deste grupo palavras com múltiplos significados e usos, como "squeeze" ("espremer" ou "aperto"), "guts" ("tripas" ou "coragem") e "bad" ("mal", "mau" ou "ruim", entre outras traduções).

Os cientistas descobriram que na raiz da pesquisa está um léxico de 200 palavras que representam conceitos que não mudaram ao longo do tempo ou de país para país. "Temos listas de palavras que linguistas produziram e que nos mostram que, muitas vezes, dois termos em línguas relacionadas são, na verdade, derivadas de um ancestral comum", explicou à BBC Mark Pagel, biólogo especializado em evolução da Universidade de Reading. "Temos descrições de como as palavras mudam, e essas descrições podem ser transformadas em uma linguagem matemática", explicou.

Usando o supercomputador, eles rastrearam as relações conhecidas entre as palavras para desenvolver estimativas da época em que um termo ancestral se divergiu em duas línguas diferentes. Em seguida, integraram o resultado em um algorítimo que produz uma lista de palavras relevantes em uma determinada data. "Você escolhe uma data no passado ou no futuro e o computador fornece uma lista de termos que teriam mudado ou que ainda vão mudar", afirmou Pagel.

"Dessa lista, você pode tirar um pequeno guia de palavras que poderia usar se quisesse conversar com Guilherme, o Conquistador (rei da Inglaterra de 1066 a 1087), por exemplo", disse.

"Muitas coisas que dizemos hoje, ele não entenderia. Palavras como "big" ("grande"), "bird" ("pássaro"), "heavy" ("pesado") e "here" ("aqui")."

Segundo o cientista, o vocabulário usado naquela época vinha de uma raiz diferente daquela que originou algumas palavras do inglês moderno.

Os pesquisadores também descobriram que quanto mais uma palavra é usada, menor sua variação ao longo do tempo. Isso explicaria os motivos da "resistência" dos pronomes e números.

"Os sons usados para pronunciar essas palavras eram os mesmos usados por todas as pessoas que falavam os idiomas indo-europeus ao longo da História", explicou Pagel.

"Quando conversamos uns com os outros, é como se estivéssemos em um grande jogo de 'telefone sem fio'. Mas de alguma maneira, nosso idioma consegue reter sua fidelidade."

Por G1, BBC
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Saúde e Ciência
20/09/2018 | Campanha contra sarampo e poliomielite segue na região
19/09/2018 | É melhor dormir com ou sem meias?
19/09/2018 | Forma de andar mostra os vícios de postura
As mais lidas de Saúde e Ciência
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6188 dias no ar.