NOTÍCIA ANTERIOR
Mauá reforça combate à violência doméstica
PRÓXIMA NOTÍCIA
O dilema do 13º na Câmara de Mauá
DATA DA PUBLICAÇÃO 11/12/2017 | Cidade
Paço de Mauá e FUABC iniciam costura de acordo
Paço de Mauá e FUABC iniciam costura de acordo Município e entidade voltam a falar a mesma língua sobre valores de dívidas; Atila garante pagamento a demitidos. Foto: Nario Barbosa/DGABC
Município e entidade voltam a falar a mesma língua sobre valores de dívidas; Atila garante pagamento a demitidos. Foto: Nario Barbosa/DGABC
A Prefeitura de Mauá e a FUABC (Fundação do ABC) começam a falar a mesma língua no que se refere à dívida cobrada pela entidade referente a serviços prestados e não pagos pelo município a dois meses do fim do contrato.

Ontem, em reunião entre comissões das duas partes, os valores voltaram a ser debatidos. Enquanto a FUABC reivindica passivo na ordem de R$ 123 milhões, o município discorda do débito e pede comprovação desse deficit.

Embora o caso não tenha sido encerrado definitivamente no encontro de ontem, os discursos da FUABC e do governo do prefeito Atila Jacomussi (PSB) já indicam início de consenso. “Os valores da dívida da Prefeitura com a FUABC, apesar de ainda divergentes, já estão muito mais próximos, o que sinaliza que as partes possivelmente chegarão a um número consensual em breve, com solução definitiva para a situação”, informou a entidade, por meio de nota.

Atila, por sua vez, disse que “foi uma conversa muito boa com a Fundação”. O chefe do Executivo revelou que pautou na reunião o imbróglio que envolve o não pagamento de direitos trabalhistas a servidores demitidos que atuavam nos equipamentos de Saúde da cidade via FUABC. “Estamos trabalhando duro para poder liberar o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) e o seguro-desemprego de quem foi desligado da FUABC em Mauá. Estou otimista. Acredito que o mais rápido possível conseguiremos solucionar esse impasse. Estamos dependendo de recurso do governo do Estado, de repasses para Mauá que estão em atraso. O governo do Estado nos deve R$ 6,5 milhões no complemento do custeio da Saúde”, destacou o prefeito, sem citar datas.

O caso já se arrasta desde o primeiro semestre e, na terça-feira, ex-funcionários da entidade paralisaram a sessão e ocuparam o plenário da Câmara por cinco horas. “Estamos dialogando com os verdadeiros trabalhadores. Porque há muita interferência política, muita gente do meio político querendo pegar carona. O movimento (de terça-feira, na Câmara) foi político. Tanto que fizeram parte o presidente do PT (Getúlio Júnior) e do Psol (André Sapanos)”, frisou Atila.

Na tarde de ontem, o governo informou que a reunião com grupo de demitidos para debater a solução do impasse não ocorreu porque os ex-funcionários “não apareceram”. Por outro lado, o grupo alegou que o local onde ocorreria a reunião teria sido mudado da FUABC para o Paço de “última hora”. Esse bloco também realizou protesto na região central e acusou funcionários da Prefeitura de impedirem a manifestação com agressões. O caso foi registrado no 1º DP (Centro).

Embora iniciem acordo, o futuro da FUABC em Mauá segue incerto. O contrato vigente vence no fim de fevereiro e a entidade externou formalmente interesse em continuar gerenciando a Saúde do município. Entre os equipamentos está o Hospital de Clínicas Doutor Radamés Nardini.

Por Júnior Carvalho - Diário do Grande ABC
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Setecidades - Clique Aqui
As últimas | Cidade
03/02/2020 | Com um caso em Santo André, São Paulo monitora sete casos suspeitos de Coronavírus
25/09/2018 | TIM inaugura sua primeira loja em Mauá no modelo digital
25/09/2018 | CPTR oferece 20 vagas de emprego (25/09)
As mais lidas de Cidade
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6230 dias no ar.