NOTÍCIA ANTERIOR
Temporal derruba 73 árvores em São Paulo
PRÓXIMA NOTÍCIA
Mega-Sena, concurso 1.760: ninguém acerta e prêmio vai a R$ 110 milhões
DATA DA PUBLICAÇÃO 12/11/2015 | Geral
''Oásis'' garantem água e deixam parte da Grande SP distante da crise hídrica
''Oásis'' garantem água e deixam parte da Grande SP distante da crise hídrica Lago Orion, em Aldeia da Serra, é usado como sistema isolado, que funciona como pequeno oásis e garante água a bairros de alto padrão na Grande São Paulo (Foto: Victor Moriyama/G1)
Lago Orion, em Aldeia da Serra, é usado como sistema isolado, que funciona como pequeno oásis e garante água a bairros de alto padrão na Grande São Paulo (Foto: Victor Moriyama/G1)
180 lagos e poços abastecem regiões distantes dos grandes reservatórios.

Alphaville, Aldeia da Serra e Salesópolis são atendidas por sistemas isolados.


Mesmo se os seis principais reservatórios que abastecem a Grande São Paulo entrassem em colapso e ficassem sem água, moradores de regiões distantes e bairros de alto padrão, como Alphaville e Aldeia da Serra, em Santana de Parnaíba, passariam imunes pela crise hídrica. Eles estão entre os clientes da Sabesp atendidos por 180 sistemas isolados, pequenos “oásis” formados por lagos, rios e poços que atendem 1,5% da região metropolitana e que ainda não foram afetados pela seca.

Segundo a Sabesp, a implantação de um sistema de menor porte é a melhor estratégia para atender à população de uma determinada região sem exigir os altos custos de uma interligação, mas com garantia da vazão necessária. Essas pequenas cidades, bairros e distritos estão distantes ou não totalmente conectadas ao sistema integrado formado por grandes reservatórios, como o Cantareira, Alto Tietê e Guarapiranga.

Na Região Metropolitana de São Paulo, os mananciais superficiais (lagos, lagoas e rios) são explorados para atender Barueri, Biritiba-Mirim, Juquitiba, Mairiporã, Pirapora do Bom Jesus, Salesópolis, Santana de Parnaíba e São Lourenço da Serra, segundo a Agência Nacional de Águas (ANA). De acordo com a Sabesp, as regiões de Santa Adélia, Natura e Ressaca, em Itapecerica da Serra, e Pirapora do Bom Jesus são atendidos por poços profundos.

A Sabesp não informou ao G1 qual o volume de água captada, qual a capacidade de produção de cada sistema isolado da Grande São Paulo e o detalhamento dos bairros abastecidos pelos pequenos reservatórios. "Não há problemas de abastecimento nas localidades atendidas por esses sistemas. O monitoramento do seu nível é feito de forma constante, seguindo as determinações dos órgãos reguladores", disse a Sabesp, em nota.

Um relatório do Comitê da Bacia Hidrográfica do Alto Tietê, com dados de 2010 da companhia, apontou que 306 mil dos 20 milhões de moradores da Grande SP são atendidos pelos sistemas isolados. As águas subterrâneas (poços profundos) são as mais exploradas, com captação de 348 litros por segundo, de acordo com o documento.

O professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e especialista em recursos hídricos Antônio Carlos Zuffo diz que os sistemas isolados são mais "resistentes” à seca porque estão recebendo recarga não só pela chuva, mas também por lençóis freáticos e nascentes. Zuffo, no entanto, ressaltou que os reservatórios não são fonte infinita de água.

"Se começarem a tirar mais água do que a entrada natural de água [por chuva, nascentes ou lençóis freáticos], eles também podem baixar. A diferença é que eles não terão socorro de outros reservatórios, porque não estão interligados com os grandes sistemas produtores de água", explicou.

O professor titular da Universidade Federal do ABC em engenharia ambiental e urbana Ricardo Moretti também fez ressaltou a importância de evitar a superexploração dos sistemas isolados.

"Todo poço tem uma capacidade de recarga sem comprometer o nível geral. Se você começa a explorar demais, você compromete o poço. É uma recarga artificial predatória. E se está chovendo pouco, todos os sistemas, inclusive os isolados, ficam expostos", completou o especialista.

Sem falta d'água
"Nunca tive problema com falta d'água", relatou a cabelereira Marisa Alves, proprietária de um salão de beleza em um centro comercial em Aldeia da Serra. Mas quando a crise hídrica começou, Marisa ficou com medo de ficar sem água e perder clientes.

Por isso, mesmo sem precisar, a cabelereira se antecipou e instalou um aquecedor a gás mais moderno para os lavatórios, que não desperdiça água enquanto ela é aquecida, e também trocou os chuveirinhos para melhor controle de saída da água.

A dona de uma petshop e moradora do bairro, Andrea Granzotto, também afirma que a crise hídrica não chegou à região. "Eu não percebi falta de água. O que ocorre, às vezes, é diminuírem a pressão durante a noite, mas logo cedo, na manhã seguinte, a água volta pra encher a caixa".

A comerciante Cristina Cunha, também moradora de um condomínio residencial em Aldeia da Serra, disse que teve problemas "esporádicos" com falta d'água. Com duas caixas d'água em casa, ela afirmou que, mesmo sem cortes no abastecimento, ela e vizinhos colocaram em prática ações de redução de consumo e economia de água para não ficar com as torneiras secas.

Essas foram as mesmas medidas preventivas adotadas na casa aposentada Edna Coppo, que vive na mesma região. "Não deixei mais lavar o quintal, mudei o jeito de limpar a piscina e começamos a usar a água da chuva para lavar o piso. Mas nunca tive problema com corte de água em casa, de chegar ao ponto de ficar sem água na torneira. Se teve, foi para alguma manutenção de rotina mesmo", completou.

Por Cíntia Acayaba e Isabela Leite - G1, em São Paulo
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Geral
25/09/2018 | Golpe do ''motoboy'' é o crime da moda
25/09/2018 | Há quatro meses faltam medicamentos no SUS
25/09/2018 | Redução de pressão de água é eficaz, mas exige medidas, diz professor
As mais lidas de Geral
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6194 dias no ar.