NOTÍCIA ANTERIOR
Greenpeace ergue estátuas de gelo de Bush e Howard em Sydney
PRÓXIMA NOTÍCIA
Casal McCann consulta advogado de Pinochet
DATA DA PUBLICAÇÃO 08/09/2007 | Internacional
Novo atentado suicida mata pelo menos 28 na Argélia
Um novo ataque suicida deixou pelo menos 28 mortos, entre eles 15 membros da marinha argelina, e cerca de 60 feridos neste sábado em Dellys, um pequeno porto da Cabília a leste de Argel, segundo um balanço provisório de fontes hospitalares.

O camicase estava a bordo de uma caminhonete cheia de explosivos, de acordo com os primeiros depoimentos recolhidos no local. Sua identidade não é conhecida, nem sua filiação política.

O balanço deve se agravar, segundo um oficial da proteção civil, que estava trabalhando no transporte dos feridos ao hospital local, e aos demais centros médicos da região. Vários civis, essencialmente doqueiros do porto de Dellys, estão entre os feridos.

De acordo com as primeiras constatações, a caminhonete-bomba explodiu perto do quartel da marinha, formado por alojamentos pré-fabricados. A maior parte desses alojamentos foi destruída pela força da deflagração.

Pedaços de madeira, de ferro e de concreto foram projetados a centenas de metros de distância pela explosão, assim como roupas e malas. Ambulâncias e helicópteros foram mobilizados. O porto foi imediatamente bloqueado e policiais da divisão antiterrorista estabeleceram um perímetro de segurança.

A cidade de Dellys também foi invadida pelas forças de segurança. Muito abalada, a população tentava pedir informações sobre o ataque a policiais nervosos, que não respondiam.

Instabilidade - A região de Dellys, na Cabília, foi palco de vários ataques islâmicos nos últimos anos. Encostada na montanha de Sidi Ali Bunab, famosa por sua floresta densa, ela é considerada o feudo dos radicais islâmicos desde o início dos atentados terroristas na Argélia, em 1990.

O atentado de hoje foi cometido dois dias depois de um ataque suicida contra a comitiva do presidente Abdelaziz Buteflika em Batna (leste da Argélia), que deixou 22 mortos e mais de 100 feridos, e alguns dias antes do início do Ramadã, o mês de jejum sagrado muçulmano.

Vários atentados suicidas foram perpetrados na Argélia desde o dia 11 de abril. Dois ataques simultâneos com carros-bombas foram cometidos contra o palácio do governo, no centro de Argel, e uma delegacia do subúrbio da capital, deixando pelo menos 30 mortos e mais de 200 feridos, segundo um balanço oficial.

Em 11 de julho em Lakhdaria, a leste de Argel, um quartel do Exército foi alvo de um camicase que dirigia um veículo frigorífico cheio de explosivos. O ataque deixou 10 mortos e 35 feridos entre os militares.

Responsáveis - Os atentados de Argel e Lakhdaria foram reivindicados pelo braço da Al Qaeda no Magrebe, um movimento afiliado ao grupo de Osama Bin Laden e comandado por Abdelmalek Drukdel, também conhecido como Abu Mossab Abdelwadud.

De acordo com os especialistas locais do antiterrorismo, este grupo teria formado uma brigada de camicases com jovens recrutas argelinos, entre os quais Abdel Qahar Belhadj, 20 anos, filho de Ali Belhadj, ex-número dois da Frente Islâmica da Salvação (FIS, extinto).

O ataque contra a comitiva presidencial em Batna e o de hoje em Dellys ainda não haviam sido reivindicadas no início da tarde deste sábado.

Por Diário Online - AFP
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Internacional
20/09/2018 | Buscas por desaparecidos continuam nas Filipinas após passagem do tufão Mangkhut
19/09/2018 | Noiva morre após acidente com trator durante despedida de solteira na Áustria
18/09/2018 | Justiça da África do Sul legaliza o consumo privado de maconha
As mais lidas de Internacional
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6329 dias no ar.