NOTÍCIA ANTERIOR
Empresa de telecomunicações de Mauá em recuperação judicial deixa de pagar rescisão de funcionários
PRÓXIMA NOTÍCIA
Santo André inaugura espaço solidário em centro de compras
DATA DA PUBLICAÇÃO 03/10/2017 | Cidade
MP de Mauá aceita diminuir assessores da Câmara só em 2021
MP de Mauá aceita diminuir assessores da Câmara só em 2021 Foto: Denis Maciel/DGABC
Foto: Denis Maciel/DGABC
O Ministério Público de Mauá aceitou a proposta do presidente da Câmara, Admir Jacomussi (PRP), de reduzir o número de assessores por gabinete de sete para quatro apenas a partir da próxima legislatura, que se inicia em 2021.

À promotoria, Admir se comprometeu a cortar pelo menos um assessor por vereador já em janeiro – são 23 parlamentares. Sob pressão do MP, o dirigente do Legislativo mauaense havia apresentado duas minutas de projetos de reforma administrativa, sendo que a outra medida previa a redução de pelo menos um dos auxiliares por gabinete só a partir de 2019. O presidente da Casa, porém, afirmou ao promotor Paulo Henrique Castex que a ideia de extinguir um dos cargos já no início do próximo ano encontra “razoável consenso” entre servidores e vereadores.

Pela proposta, o quadro geral de funcionários da Câmara de Mauá, entre concursados e comissionados, será alterado. A reforma desenhada por Admir passa por mudanças nas nomenclaturas dos cargos, transformação de vagas que hoje são destinadas a apadrinhados em postos para servidores concursados e até elevação de salário do diretor-geral da Casa – subiria de R$ 8.623,62 para R$ 9.700. O posto de assessor de vereador será reduzido a dois cargos: relações parlamentares e políticas públicas e de relações comunitárias e articulação política, com salários de R$ 4.309,86 e R$ 3.258,73, respectivamente.

Os cortes são resultado de longa negociação entre a mesa diretora do Legislativo e o MP, que sugeriu a Admir a assinatura de TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) em maio. O parlamentar, que está em seu nono mandato, chegou a afirmar que a redução significativa do número de assessores era tentativa de cerceamento ao exercício parlamentar.

Por outro lado, Admir é pré-candidato a deputado estadual e quer evitar eventuais obstáculos jurídicos ao seu projeto eleitoral futuro.

Apesar de aceitar a reforma administrativa proposta pela Câmara, a promotoria exigiu que o texto passe por alterações antes de ir à votação. Entre as correções, o MP pediu que seja estabelecido nível superior para ocupação do posto de assessor de relações parlamentares e políticas públicas e, no mínimo, o Ensino Médio para o outro cargo. Atualmente, há funções na assessoria que pedem apenas o Fundamental.

A exigência do MP no que diz respeito à escolaridade se deu em razão do relato do vereador Adelto Cachorrão (PTdoB), que disse na reunião com a promotoria, no dia 22, que em seu gabinete seus assessores tiveram interesse em buscar formação superior e que teriam se matriculado em faculdades.

O MP estendeu até terça-feira o prazo para que o TAC seja assinado e Admir entregue a nova redação da reforma.

Por Júnior Carvalho - Diário do Grande ABC
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Setecidades - Clique Aqui
As últimas | Cidade
03/02/2020 | Com um caso em Santo André, São Paulo monitora sete casos suspeitos de Coronavírus
25/09/2018 | TIM inaugura sua primeira loja em Mauá no modelo digital
25/09/2018 | CPTR oferece 20 vagas de emprego (25/09)
As mais lidas de Cidade
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6234 dias no ar.