NOTÍCIA ANTERIOR
Bispo reza pela queda de '‘muralha da corrupção’'
PRÓXIMA NOTÍCIA
Mauá capacita servidores em projeto de R$ 4,8 mi
DATA DA PUBLICAÇÃO 16/06/2017 | Cidade
Moradores de terreno no Zaíra pedem muro
Moradores de terreno no Zaíra pedem muro Foto: André Henriques/DGABC
Foto: André Henriques/DGABC
A construção de muro em terreno público ocupado por moradores há mais de 30 anos no Jardim Zaíra, em Mauá, é alvo de desentendimento entre a comunidade e a administração pública. A população diz que o espaço, localizado na Avenida Presidente Castelo Branco, altura do número 3.000, precisa de proteção para evitar o estacionamento de veículos roubados no local e que a administração não permite a construção.

Segundo os moradores da área, grupo de cerca de 30 famílias se reuniu para erguer um muro capaz de ‘proteger’ o terreno. No entanto, todo o trabalho foi destruído por máquinas da Prefeitura horas após o início da obra. Em visita ao terreno, a equipe do Diário observou que a base para a construção da proteção foi mantida pela população.

Ao longo dos quatro anos em que vive no espaço, Ueder Alexandre da Silva, 33 anos, revela já ter presenciado diversas formas irregulares e até mesmo ilegais de uso do terreno. Além de assaltos na região, ele destaca a utilização do local para desmanche de veículos, além de rota de fuga de criminosos e depósito de lixo. “A população vem sofrendo com o descaso. Roubam carros e estacionam aqui”, afirma.

Silva destaca que existe ofício protocolado na Prefeitura para a construção do muro, no entanto, a comunidade ainda aguarda retorno. “Já veio todo mundo da secretaria olhar e se certificar de que não é uma construção irregular e sim um muro de proteção. Até colocaram normas, dizendo que tinha de ser um portão aberto para o pessoal de fora poder ver aqui dentro”, diz.

O auxiliar de manutenção Fernando de Araujo, 47, que tem família que mora no local há mais de 20 anos, concorda com o vizinho. “É bem complicado. Encosta carro roubado aqui, por isso que queremos construir (o muro) para ficar melhor para a turma”, avalia.

Segundo a dona de casa Sueli de Melo Silva, 42, o transtorno é motivado por denúncias dos vizinhos e comerciantes do entorno feitas à Prefeitura. “Ficam falando que tem gente armada aqui, que queremos fazer o muro para construir mais casas. E não é nada disso, é tudo boato. A gente quer fazer o muro por segurança”, defende.

Em nota, a Prefeitura de Mauá afirmou que “o espaço em questão é uma área já invadida há mais de 30 anos e que atualmente não possui qualquer pedido de reintegração de posse. Segundo as secretarias de Planejamento, Segurança Pública, Obras e Serviços Urbanos, não há em andamento qualquer pedido para construção ou derrubada de muro no local”.

A administração salientou ainda que “trabalha para regularizar áreas de ocupação fundiária e que técnicos e assistentes da Prefeitura constantemente visitam os locais para conversar com a população e prestar atendimentos”.

Segundo a Polícia Militar, levantamento de janeiro a maio de 2017 não registrou nenhuma ocorrência de roubo de veículo no subsetor do referido local.

Por Matheus Angioleto - Diário do Grande ABC
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Setecidades - Clique Aqui
As últimas | Cidade
03/02/2020 | Com um caso em Santo André, São Paulo monitora sete casos suspeitos de Coronavírus
25/09/2018 | TIM inaugura sua primeira loja em Mauá no modelo digital
25/09/2018 | CPTR oferece 20 vagas de emprego (25/09)
As mais lidas de Cidade
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6230 dias no ar.