NOTÍCIA ANTERIOR
Região empresta 18% menos do BNDES
PRÓXIMA NOTÍCIA
Montadoras pioram resultados da indústria
DATA DA PUBLICAÇÃO 17/08/2016 | Economia
Mercedes-Benz começa a demitir trabalhadores por telegrama
Mercedes-Benz começa a demitir trabalhadores por telegrama Foto: André Henriques/DGABC
Foto: André Henriques/DGABC
A Mercedes-Benz começou a enviar ontem, por telegrama, avisos de demissão a trabalhadores que atuam na fábrica de São Bernardo. Correspondência que o Diário teve acesso solicita a presença do funcionário na montadora – todos estão em licença remunerada por tempo determinado, mas ainda não informado pela empresa – no dia 24, e informa que o contrato de trabalho será rescindido em 5 de setembro.

“Conforme informativos e comunicados amplamente divulgados, a Mercedes-Benz, durante os últimos anos, fez o máximo possível para gerenciar o excesso de pessoal por meio de vários instrumentos de flexibilidade e de diversas oportunidades de programas de desligamento voluntário, mas, lamentavelmente, considerando as atuais condições do mercado, isso não é mais possível”, diz o telegrama.

A Mercedes confirma que está “convocando para procedimentos rescisórios os colaboradores que terão seus contratos de trabalho encerrados a partir de setembro, após o fim do período de estabilidade na unidade”. Devido ao fim do PPE (Programa de Proteção ao Emprego), que vinha reduzindo em 20% a jornada de trabalho e em 10% os salários desde setembro, e foi encerrado em maio, os operários tiveram direito a mais três meses de garantia do emprego na fábrica, prazo este que termina no dia 31.

A companhia não informa o número de pessoas que estão recebendo as correspondências com a notícia da demissão, porém, seu excedente atual é de 1.870 profissionais.

Na sexta-feira, a empresa anunciou que colocaria todos os seus 9.000 colaboradores em licença remunerada por tempo determinado – sendo que 1.400 já estavam em casa –, e que nesta semana avisaria sobre quando seria o retorno. Questionada, afirmou que ainda está analisando a data.

A companhia disse que vive um dos piores momentos de sua história, em razão da crise econômica e do reduzido mercado de veículos comerciais (caminhões e ônibus), sobre o qual não possui qualquer controle, o que levou à alta ociosidade.

O anúncio de que haveria demissões foi feito aos profissionais no dia 2, devido à baixa adesão ao PDV (Programa de Demissão Voluntária), com 630 operários, e desde então foram feitas paralisações na planta.

O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC convocou os trabalhadores da montadora para assembleia na sede da entidade amanhã, às 10h, em “resposta à truculência da empresa, precisamos usar nossa força de união e luta”, aponta comunicado.

Por Soraia Abreu Pedrozo - Diário do Grande ABC
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Economia
25/09/2018 | Operação mira sonegação de R$ 100 mi de grupos cervejeiros e cerca Proibida
25/09/2018 | Greve na Argentina cancela voos no Brasil nesta terça-feira
25/09/2018 | Demanda por GNV aumenta até 350% após alta na gasolina
As mais lidas de Economia
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6333 dias no ar.