NOTÍCIA ANTERIOR
Baleias jubarte e franca se exibem na costa brasileira
PRÓXIMA NOTÍCIA
Polonês constrói casa virada para baixo
DATA DA PUBLICAÇÃO 29/08/2007 | Turismo
Mercado de Belo Horizonte tem comida típica e prosa maneira
Pobre comerciante iludido, o que vê um corredor com gatos, porcos, papagaios e coelhos à venda, não longe do box onde um prato de feijão tropeiro para duas pessoas custa R$ 3, e acredita que o metro quadrado do Mercado Central belo-horizontino (www.mercadocentral.com.br) é barato.

Quase R$ 700 mil, ou R$ 15 mil o metro quadrado. Foi o que a dona de um ponto cujo comércio nem será aproveitado acaba de conseguir pela venda da sua lojinha.

Deve ser o preço da diversidade oferecida pelo mercado. É um local múltiplo, fascinante, deliciosamente insólito, que possui inclusive uma capela.

Tenda com bacalhau, garrafas de azeite, vinho, uísque e tequila, no mercado de Belo Horizonte.

Já o Bar do Mané Doido teria recebido esse nome por causa de um tomate atirado pelo dono na cabeça de um policial.

No Bar do Alemão e no Bar do Zé da Onça, um em frente ao outro, separados por um espaço de não mais de cinco metros, as cervejas são entregues abertas a passantes, que, constrangidos, invariavelmente acabam consumindo a bebida.

Há, pelo menos, outros dois pares de bares dispostos assim. No Bar da Tia e no Nosso Bar, apesar da pouca distância, os públicos são distintos --de um lado, o pessoal engravatado e, do outro, turmas com roupas menos formais.

Quatro cachaças

Na banca Santo Antônio, além de tequila, vinho e uísque vendem-se todos os tipos de tempero na escala do óbvio ao exótico --nessa ponta, cem gramas da pimenta da Costa, africana, custam R$ 40.

O Rei da Feijoada funciona há 34 anos (o mercado é de 1929), vende seus produtos a restaurantes de outros Estados e oferece aos clientes um folheto com uma receita de feijoada que inclui até mesmo "um abacaxi para cada oito pessoas".

O Comida di Buteco, afirma Eduardo Maia, acontece apenas em abril, e não antes, porque a população da cidade respeita muito a Quaresma. Mesmo assim, conta o dono do Rei da Feijoada, um padre havia acabado de passar em seu box para comprar quatro cachaças.

Por falar nelas, na banca do Ronaldo há centenas de tipos, e você pode aprender mais sobre cada uma com o próprio dono. Há ainda frutas, aquários, flores, panos, pratos, sinos (!), artigos para a pesca e, claro, muitos queijos --aliás, um corredor inteiro dedicado apenas a eles.

Por Thiago Momm - Folha Online / Enviado Especial a Belo Horizonte da Folha de São Paulo
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Turismo
18/09/2018 | Brasileiros precisarão de autorização de viagem para entrar na Europa a partir de 2021
17/09/2018 | Halloween Horror Nights 2018, do Universal Orlando, já está aberto
31/08/2018 | Campos do Jordão para crianças
As mais lidas de Turismo
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2021 - Desde 2003 à 6770 dias no ar.