NOTÍCIA ANTERIOR
OMS aprova uso de tratamentos não homologados contra o ebola
PRÓXIMA NOTÍCIA
Estudo liga excesso de peso a risco de dez tipos de câncer
DATA DA PUBLICAÇÃO 14/08/2014 | Saúde e Ciência
Médicos dão orientações para evitar doenças com as mudanças do tempo
Variações bruscas de temperatura afetam diretamente a nossa saúde.

Alimentar-se bem, tomar água e usar soro fisiológico são algumas dicas.


As mudanças bruscas de temperatura neste inverno impactam diretamente a nossa saúde. Pode ser com problemas mais simples, como boca seca, lábio rachado, resfriado ou dor de cabeça, ou mais sérios, como gripe e dor de ouvido. No Sul e Sudeste do país, os termômetros têm tido registros de verão no mês de agosto. E também há dias de muito frio – nesta quinta-feira (14), a temperatura máxima na capital paulista não deve passar dos 13° C.

Segundo a otorrinolaringologista Francine Pádua e o pediatra Moises Chencinski, no tempo seco é importante usar soro fisiológico para umedecer as vias aéreas, lágrima artificial para os olhos e hidratante para a pele e os lábios; vestir roupas que aqueçam bem o corpo e carregar sempre uma echarpe mais fina na bolsa ou mochila; usar umidificador, bacia com água ou toalha molhada no ambiente; manter as vacinas em dia e, se necessário, fazer inalação com soro fisiológico.

De acordo com Chencinski, quem respira mal pelo nariz também respira mal pelo pulmão, pois a mucosa é a mesma. Por isso, pessoas que sofrem de rinite alérgica têm mais propensão a ficar gripadas ou resfriadas no frio, pois têm um número maior de receptores nas mucosas das vias respiratórias, onde grudam os vírus e as bactérias. Além disso, indivíduos alérgicos devem tomar cuidado para não usar casacos guardados com pó e mofo.

Ao todo, segundo os médicos, 95% das sinusites agudas são precedidas por gripe ou resfriado, e até 5% das gripes ou resfriados podem evoluir para uma sinusite aguda. De acordo com os especialistas, é considerado normal um adulto ter de 3 a 4 resfriados por ano. Já em crianças, é normal ter entre 6 e 10 resfriados por ano.

Outras dicas dos médicos nesta época são: tomar bastante água e alimentar-se bem para fortalecer a imunidade (no caso dos bebês, a amamentação também ajuda muito a prevenir doenças); evitar ficar muito em lugares fechados e com aglomeração de pessoas; quando der banho em uma criança, deixar a porta do banheiro fechada para manter o calor, inclusive ao vesti-la; e redobrar os cuidados com os pequenos e os idosos, pois o sistema imunológico deles é mais frágil que o dos adultos.

No estúdio, os convidados explicaram ainda por que os pelos ficam arrepiados e por que o nosso corpo treme de frio. No primeiro caso, o sistema termorregulador, localizado na região cerebral do hipotálamo, manda uma mensagem para o músculo eretor do pelo, que é bem pequeno e fica no início do folículo, deixando-o ereto imediatamente. Esse é um mecanismo involuntário. Os pelos arrepiados formam uma espécie de camada de ar que impede a perda de calor, mantendo a temperatura do corpo entre 35,5° C e 37° C. No caso dos tremores, o processo é o mesmo: o sistema termorregulador, responsável por regular a temperatura, envia sinais para os músculos, que tremem para produzir energia e manter o corpo quente.

Por G1, em São Paulo
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Saúde e Ciência
20/09/2018 | Campanha contra sarampo e poliomielite segue na região
19/09/2018 | É melhor dormir com ou sem meias?
19/09/2018 | Forma de andar mostra os vícios de postura
As mais lidas de Saúde e Ciência
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6193 dias no ar.