NOTÍCIA ANTERIOR
Prefeitura de Mauá libera R$ 2,2 milhões para entidades assistenciais
PRÓXIMA NOTÍCIA
Defesa de Damo em processo no Tribunal de Justiça é questionada
DATA DA PUBLICAÇÃO 02/02/2008 | Cidade
INSS não sabe como melhorar perícias médicas
Durante visita a quatro postos de atendimento da Previdência Social no Grande ABC, nesta sexta-feira, o ministro Luiz Marinho admitiu que o trabalho dos peritos-médicos têm sido bastante insatisfatório, mas não apresentou nenhuma solução de curto prazo que possa amenizar o sofrimento e a indignação de milhões de segurados de todo o País.

Marinho passou pelas agências de Diadema, São Bernardo, Santo André e Mauá. Em São Bernardo ele chegou a acompanhar uma perícia que durou menos tempo do que teria de levar segundo as normas do INSS.

A questão é que vários peritos procuram fazer o trabalho mais rapidamente de forma a terminar o atendimento mais cedo e, assim, poderem ir embora antes do horário.

“O perito é contratado para trabalhar oito horas por dia. Nesse tempo, ele tem de fazer 24 perícias com duração de 20 minutos cada. Mas constatamos que é comum eles fazerem as perícias em dez minutos e irem embora mais cedo”, afirmou.

“Não estou discutindo o procedimento médico. Se é possível periciar em dez minutos, então vamos encaixar mais gente no dia. Não dá para o perito receber por oito horas e trabalhar apenas quatro e ainda deixar muita gente sem atendimento”.

O ministro, no entanto, não soube dizer o que pode ser feito de imediato para obrigar os peritos a cumprirem as diretrizes do instituto.

“Nós vamos rediscutir todo esse aspecto do gerenciamento das agendas. Evidentemente que os profissionais não gostam, que a associação dos peritos não gosta, os sindicatos também não, mas é um debate que temos de fazer”.

Câmeras - Sugestões para melhorar a qualidade do atendimento e das perícias não faltam. O próprio ministro falou sobre a possibilidade de instalar câmeras nas salas de perícia para que o INSS possa acompanhar os acontecimentos e, assim, saber quem tem razão, perito ou segurado.

Mas como a instalação de câmeras também depende de um estudo jurídico para saber se o sistema de monitoramento está ou não dentro da lei, resta aos segurados aguardarem a finalização dos debates que ainda não têm data e hora marcadas para acontecer.

Por Marcelo de Paula - Diário do Grande ABC
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Setecidades - Clique Aqui
As últimas | Cidade
06/04/2020 | Atualização 06/04/2020 do avanço Coronavírus na região do ABC Paulista
03/02/2020 | Com um caso em Santo André, São Paulo monitora sete casos suspeitos de Coronavírus
25/09/2018 | TIM inaugura sua primeira loja em Mauá no modelo digital
As mais lidas de Cidade
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6407 dias no ar.