NOTÍCIA ANTERIOR
Correios podem parar na terça-feira
PRÓXIMA NOTÍCIA
Economia com horário de verão cai em 4 anos, mas especialistas defendem manutenção da medida
DATA DA PUBLICAÇÃO 22/09/2017 | Economia
Emprego na região fecha no azul pelo 2º mês consecutivo
Emprego na região fecha no azul pelo 2º mês consecutivo Foto: Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas
Foto: Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas
As empresas do Grande ABC têm registrado contratações pelo segundo mês consecutivo. Após a quebra no ritmo de admissões em junho, com 864 baixas, julho e agosto foram marcados por saldos (diferença entre contratações e demissões) positivos. No mês passado foi registrada a geração de 451 postos de trabalho e, no anterior, 2.539. Os dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), do MTE (Ministério do Trabalho e Emprego), que se referem a contratos com registro em carteira, foram levantados pela equipe do Diário.

Apesar de o resultado de agosto ter sido inferior ao obtido em julho, é possível verificar inversão do quadro instalado no Grande ABC um ano atrás. À época, o saldo nas sete cidades estava negativo em 1.915 empregos formais. É válido lembrar que em abril foi interrompida sequência de 28 meses no vermelho, com a criação de 845 oportunidades. E, em maio, se teve a criação de 197 postos.

Na avaliação do economista e coordenador do curso de Administração do Instituto Mauá de Tecnologia, Ricardo Balistiero, as companhias da região estão em sinergia com o movimento nacional, que verificou a criação de 35 mil vagas. “A recuperação é tímida? É, mas ainda assim é uma recuperação. Estamos parando de perder postos e, consequentemente, saindo da recessão.”

Ainda segundo o especialista, é possível que o Grande ABC encerre 2017 com saldo positivo na criação de vagas. “Apesar de a indústria estar patinando, a construção civil estar muito ruim e os investimentos, inertes, a tendência é de que isso (fechar o ano no azul) possa realmente acontecer.”

Questionado a respeito das oscilações nos últimos meses, Balistiero afirma que, em tempos de tímida reação e processo de recuperação, é normal que o emprego passe por esse “vai e vem”.

Apesar da demora na retomada, é possível notar forte desaceleração no ritmo de dispensas quando se compara o desempenho dos primeiros oito meses do ano. De janeiro a agosto de 2016 foram extintos 20.572 postos, em contrapartida, neste ano, o saldo acumulado é de 945 vagas a menos.

Ao analisar as sete cidades, três fecharam no vermelho: São Caetano, com a eliminação de 488 postos formais, Diadema (39) e Rio Grande da Serra (36). Por outro lado, os outros quatro municípios finalizaram agosto no azul. Mauá foi a cidade com o melhor resultado, com 595 contratações, São Bernardo veio logo em seguida, com a geração de 207 vagas, seguida de Santo André (137) e Ribeirão Pires (75).

Em relação ao desempenho por setores, comércio (551) e serviços (532) foram os responsáveis pela maior abertura de oportunidades em agosto. Em contrapartida, a indústria registrou 460 perdas, e a construção civil, 44.

Para Balistiero, a tendência é que 2018 será um ano marcado pelo crescimento da geração de empregos.

Por Gabriel Russini - Especial para o Diário do Grande ABC
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Economia
25/09/2018 | Operação mira sonegação de R$ 100 mi de grupos cervejeiros e cerca Proibida
25/09/2018 | Greve na Argentina cancela voos no Brasil nesta terça-feira
25/09/2018 | Demanda por GNV aumenta até 350% após alta na gasolina
As mais lidas de Economia
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6234 dias no ar.