NOTÍCIA ANTERIOR
Mauá ainda não tem data para pagar dívida
PRÓXIMA NOTÍCIA
CPTR de Mauá disponibiliza 693 vagas de emprego
DATA DA PUBLICAÇÃO 17/07/2013 | Cidade
Donisete admite não ter controle sobre o Transporte
Donisete admite não ter controle sobre o Transporte Foto: Andréa Iseki/DGABC
Foto: Andréa Iseki/DGABC
O prefeito de Mauá, Donisete Braga (PT), pretende disponibilizar à população a planilha de gastos e controle de dados do sistema de Transporte público, mas por enquanto não é capaz de adotar esses mecanismos. Segundo o petista, o governo não tem controle do gerenciamento de informações sobre o setor, hoje de total responsabilidade da empresa PK9. A criação da MauáTrans, uma autarquia municipal, é considerada um passo para cessar o problema.

Donisete quer seguir os passos do prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), que criou o Conselho Municipal de Trânsito, com intenção de abrir planilhas e mostrar os custos do sistema para a população. A busca pela transparência no setor ganhou impulso devido às manifestações populares contra o aumento das tarifas de ônibus para R$ 3,30, posteriormente reduzidas a R$ 3 na Capital e em seis cidades do Grande ABC, onde eram R$ 3,20.

Entretanto, o prefeito analisa que Mauá primeiro precisa se reorganizar na relação com as empresas de ônibus, admitindo que o Poder Público não tem controle sobre os dados do sistema de passagens. “O nosso modelo (de Transporte) é antigo e arcaico. Temos um descontrole total sobre dados nas tarifas. Hoje, com o passageiro que entra no terminal (central), temos controle. Mas quem está fora da estação, não temos controle.”

Todo o sistema de banco de dados do transporte é gerenciado pela PK9. Além de controle de informações do segmento, a empresa é responsável pelo FMT (Fundo Municipal de Transporte). “Estamos organizando um sistema nosso para controle da planilha e aí, sem dúvida vamos, democratizar”, complementa Donisete.

De acordo com o secretário de Governo, Edílson de Paula (PT), a PK9 atuará pela cidade até a criação da MauáTrans, autarquia que passaria a controlar todo o sistema.

O controle do sistema de dados foi tema da maior crise na relação entre a gestão Donisete com as empresas de ônibus. De acordo com auditoria do Paço, a Viação Cidade de Mauá e Leblon invadiram o banco de informações quase 500 vezes. O governo municipal alega que somente ele e a PK9 teriam direito ao acesso.

Por essa razão, as operadoras foram multadas em maio, cabendo à Cidade de Mauá pagar R$ 8,2 milhões e Leblon, R$ 12,2 milhões.

Por Bruno Coelho - Diário do Grande ABC
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Setecidades - Clique Aqui
As últimas | Cidade
03/02/2020 | Com um caso em Santo André, São Paulo monitora sete casos suspeitos de Coronavírus
25/09/2018 | TIM inaugura sua primeira loja em Mauá no modelo digital
25/09/2018 | CPTR oferece 20 vagas de emprego (25/09)
As mais lidas de Cidade
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6229 dias no ar.