NOTÍCIA ANTERIOR
Preço do gás teve alta superior a 15% em São Paulo
PRÓXIMA NOTÍCIA
Confiança do consumidor cai 4,8 pontos em junho ante maio, aponta FGV
DATA DA PUBLICAÇÃO 20/06/2018 | Economia
Da venda de TVs a cerveja: veja como a Copa do Mundo vai impactar a economia
Da venda de TVs a cerveja: veja como a Copa do Mundo vai impactar a economia Rua 3, em Manaus, foi decorada para Copa do Mundo (Foto: Patrick Marques/G1 AM)
Rua 3, em Manaus, foi decorada para Copa do Mundo (Foto: Patrick Marques/G1 AM)
Especialistas ouvidos pelo G1 apontam que o mundial deve movimentar alguns setores da economia e que a liberação de funcionários para ver os jogos pode causar perdas de produtividade; efeito deve depender de desempenho da seleção.

Se na hora que a seleção brasileira entrar em campo você pretende estar vestido de verde e amarelo, na frente da TV, tomando uma cerveja e comendo um petisco, saiba que esse deve ser o comportamento padrão durante a Copa do Mundo. E esses seus "mimos" de torcedor vão impactar a economia brasileira. Pelo menos é o que indicam especialistas ouvidos pelo G1.

As projeções dos valores variam, mas todos concordam que os jogos vão movimentar alguns setores – especialmente pela venda de televisores, artigos temáticos, bebidas e comidas.

“Tem, claro, uma demanda por carne, churrasco, itens de decoração, tudo que envolve evento [durante o Mundial]. E também movimenta o setor de eletroeletrônicos, principalmente de televisão. O impacto vai ser maior ou menor dependendo do desempenho do Brasil na Copa. Quanto mais longe o Brasil for, maiores os efeitos na economia”, diz Fabio Pina, assessor econômico da Fecomercio-SP.

Segundo levantamento do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), cerca de 60 milhões de pessoas pretendem fazer compras para o mundial de futebol, o que deve injetar R$ 20,3 bilhões no comércio e no setor de serviços.

Já a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços, e Turismo (CNC) espera que, somente no varejo, as vendas aumentem em R$ 1,5 bilhão por conta dos jogos. Se a previsão se confirmar, representará um crescimento nominal de 7,9% em relação ao faturamento de 2014, quando o país sediou o campeonato. Quando considerada a inflação do período, porém, o número representa uma queda de 17%.

“O evento é indissociável da crise. O faturamento mensal do varejo caiu 20% do fim de 2014 para fim de 2016. E até agora o setor só conseguiu recompor 6% a 7% [dessa receita]”, diz Fabio Bentes, chefe da divisão econômica da CNC.

Veja abaixo 6 consequências positivas da Copa para a economia:

1 - Venda maior de TVs

A CNC estima que praticamente metade (49,4%) do faturamento “extra” de R$ 1,5 bilhão esperado para o varejo brasileiro por conta da Copa venha da venda de TVs.

“A indústria [de televisão] acaba tendo um produto sazonal de Copa. Ela mantém uma média de produção equilibrada durante todos os anos, mas quando tem Copa do Mundo inverte a produção, geralmente mais concentrada no segundo semestre por causa das compras de Natal, para o primeiro semestre. O mercado se prepara com bastante antecedência para que quando chegue a Copa [em junho] a TV esteja na casa do consumidor”, explica José Jorge do Nascimento Junior, presidente da Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos (Eletros).

A entidade espera que sejam vendidos 12,5 milhões de aparelhos de TV em 2018, 10% mais que no ano passado. No primeiro trimestre, houve aumento de 46,46% em relação a igual período de 2017.

Já segundo dados da consultoria alemã GFK, as vendas de TV aumentaram 27% e 21% em número de unidades de janeiro a abril deste ano, em comparação com igual período de 2017. A expectativa da consultoria é de que os índices de crescimento se mantenham no ano fechado.

O estudo destaca, porém, que não só a Copa, mas também o desligamento do sinal analógico de televisão em algumas regiões do país afetará o comércio de aparelhos em 2018.

Só a fabricante Sony projeta um aumento de 65% a 70% nas vendas de televisores entre maio, junho e julho, quando comparado ao mesmo período do ano passado. A Samsung disse que, por políticas, não divulga projeções.

“O carro chefe da Copa são os televisores. Embora a frequência de compra seja menor, o ticket é mais alto [do que o de outras áreas do varejo, como de alimentos]”, diz Fabio Bentes, economista-chefe da CNC.

2 - Mais cerveja, carne e petiscos

Entre os pesquisados pelo SPC e pela CNDL que pretendem gastar com a Copa, 91% dizem que vão consumir alimentos e bebidas na casa de amigos ou parentes e 87% vão tomar bebidas na comemoração dos jogos.

Entre as bebidas, a preferência é para a cerveja (74%), refrigerantes (72%) e água (69%). Já entre as comidas ganham destaque tira-gostos (56%), itens para churrasco (49%), pipocas (37%) e salgados (31%).

“Alimentos de um modo geral, algumas bebidas e carnes são os itens mais procurados", diz Fabio Bentes, da CNC.

Em nota, o diretor executivo da Associação Brasileira da Indústria da Cerveja (CervBrasil), Paulo Petroni, diz que a entidade não faz projeções, mas que está otimista quanto às vendas na Copa.

“A Copa do Mundo movimenta o país e historicamente impacta na chamada curva de sazonalidade. É um momento de celebração, de reunir os amigos e, mesmo que os horários dos jogos não sejam muito favoráveis para os brasileiros, nossas expectativas estão positivas para o evento e projetamos um crescimento no consumo, principalmente no segmento do autosserviço [para beber em casa]”, afirma.

A Ambev, maior fabricante de bebidas do país, não divulga números.

3 - Remédios para curar os excessos

Se por um lado vai vender mais cerveja e petisco durante a Copa, por outro, também deve crescer a demanda por remédios que ajudam a contornar os excessos.

“Já que a maioria dos torcedores assiste às partidas em casa, acompanhados de família e amigos, os salgadinhos, as pipocas, as carnes para churrasco, os refrigerantes e as cervejas estão entre os produtos com maior intenção de compra. Antiácidos e remédios para ressaca também. Já cosméticos como maquiagens, ficam entre os menos vendidos”, diz o diretor da consultoria de ciência do consumidor dunnhumby no Brasil, Fabio Viegas.

4 - Roupas temáticas e artigos de decoração

Para Fabio Pina, assessor econômico da FecomercioSP, a Copa vai impulsionar a venda de itens de decoração temáticos, principalmente no comércio popular, e também a venda de roupas verdes e amarelas. “A [rua] 25 de março está torcendo para o Brasil ir à final”, diz.

Fabio Bentes, da CNC, acredita que aumentará também o comércio de produtos ligados ao esporte.

A Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce) aposta que o incremento de serviços oferecidos nos centros de compras, como gastronomia e entretenimento, servirá de chamariz para as vendas nas lojas durante o evento.

“Em períodos como o de Copa do Mundo, há uma amplificação nas opções já oferecidas pelos empreendimentos, por exemplo, os cinemas transmitem os jogos, os restaurantes aderem ao happy hour e as lojas oferecem benefícios, que revertem o fluxo intenso em vendas”, diz a associação em nota.

Segundo dados de comportamento do consumidor colhidos pela dunnhuumby durante a Copa de 2014, as 24 horas que antecedem os horários das partidas do Brasil são as com maior fluxo de clientes no varejo.

5 - Bares e restaurantes bombando

Estudo da CNC aponta que o Mundial de Futebol vai movimentar R$ 252 milhões nos bares e restaurantes do Brasil. A cifra representa uma queda nominal de 36% ante os R$ 399 milhões faturados durante a Copa de 2014. Considerada a inflação, o recuo é ainda maior: de 51,4%.

“Ainda tentando se reerguer após a recente crise econômica, os serviços de alimentação fora do domicílio não contarão com o fluxo turístico nacional e, principalmente, internacional de quatro anos atrás, quando o Brasil sediou o Mundial”, afirma Fabio Bentes, chefe da Divisão Econômica da CNC.

Mesmo assim, a alta do movimento de clientes nesses estabelecimentos entre junho e julho corresponderá a mais de 3% do faturamento médio mensal normal do setor, de acordo com a CNC.

6 - Importações em alta

Levantamento da empresa de transportes marítimos Maersk Line mostra que, puxadas pela Copa, as importações no país cresceram 19% em volume no primeiro trimestre deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado.

Só na região Norte do Brasil, a compra de itens de outros países saltou 59%, principalmente porque varejistas online encomendaram para o Mundial produtos eletrônicos montados em Manaus (como TVs), segundo estudo.

“Os varejistas estão trabalhando duro para aproveitar ao máximo a Copa do Mundo, o crédito está barato”, disse em nota Antonio Dominguez, diretor principal da Maersk Line para a Costa Leste da América do Sul.

Uma outra pesquisa da Confederação Nacional do Comércio de Bens Serviços e Turismo (CNC) mostra que a importação de televisores entre outubro de 2017 e março de 2018 cresceu 59% na comparação com um ano antes, saltando de 3,4 milhões para 5,5 milhões de aparelhos.

“Além das importações, a indústria nacional também acelerou a produção de eletrônicos para fazer frente ao aumento sazonal de demanda. De acordo com o IBGE, no primeiro bimestre de 2018 a fabricação de produtos eletrônicos, de informática e óticos avançou 31,5% em relação aos dois primeiros meses do passado”, explica Fabio Bentes, chefe da divisão econômica da CNC e autor do estudo.

Segundo José Jorge do Nascimento Junior, presidente da Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos (Eletros), “99% das TVs vendidas no Brasil são fabricadas aqui, principalmente na Zona Franca de Manaus”.

Mas na hora dos jogos…

Na hora dos jogos do Brasil, porém, a concentração será mesmo na frente das TVs e o movimento no comércio deve diminuir, segundo os especialistas. Além disso, a liberação dos funcionários para assistirem às partidas deve provocar perdas pontuais de produtividade na indústria, alertam.

“Nesses dias [de competição] há uma ‘paradeira’. O varejo não diretamente ligado à decoração, a uniformes para Copa, roupa verde amarela, o centro comercial que não vende isso vai ficar deserto e ter algum prejuízo”, pondera Fabio Pina, da FecomercioSP.

Para o economista e professor do Insper Otto Nogami, a liberação de funcionários para ver os jogos paralisa a atividade produtiva do país como um todo.

“Principalmente essas partidas que ocorrerão durante a semana na parte da tarde terão impacto negativo na economia, sim. Muitas vezes a parada não acontece só na hora do jogo, mas no período todo. A tendência é liberar já no horário do almoço [quando os jogos são à tarde]”, diz.

Já para Fabio Pina, da FecomercioSP, o impacto na produtividade vai depender da flexibilidade da política de cada empresa. “Quanto mais flexível for o regime de trabalho, mais maximiza o efeito de um evento festivo e mais minimiza o efeito da paralisação. Vai liberar [o funcionário] e vai colocar no banco de horas? Vai parar só na hora do jogo?”, questiona.

O G1 procurou a Confederação Nacional da Indústria (CNI) sobre o assunto, mas a entidade não tem projeções.

Nogami, do Insper, ressalta também que impacto da Copa na economia vai variar conforme o desempenho da Seleção Brasileira.

“Se o Brasil não se apresentar de maneira adequada, isso pode mexer com a autoestima do brasileiro e aí ele tende a consumir menos. Por outro lado, se ganhar [o Mundial] pode ter um aumento de demanda além do normal, porque as pessoas vão comemorar, vão sair, se dar ao direito de comprar alguma coisa.”

Por Luísa Melo, G1
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Economia
25/09/2018 | Operação mira sonegação de R$ 100 mi de grupos cervejeiros e cerca Proibida
25/09/2018 | Greve na Argentina cancela voos no Brasil nesta terça-feira
25/09/2018 | Demanda por GNV aumenta até 350% após alta na gasolina
As mais lidas de Economia
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6190 dias no ar.