NOTÍCIA ANTERIOR
Estações da CPTM terão máquinas de compra de créditos para Bilhete Único
PRÓXIMA NOTÍCIA
Correios reajusta preço do serviço de despacho postal
DATA DA PUBLICAÇÃO 02/02/2018 | Economia
Comércio de veículos cresce em janeiro pela primeira vez em 4 anos
Comércio de veículos cresce em janeiro pela primeira vez em 4 anos Números reforçam a recuperação do mercado, que já vinha apresentando melhora nos últimos meses. Foto: Agência Brasil
Números reforçam a recuperação do mercado, que já vinha apresentando melhora nos últimos meses. Foto: Agência Brasil
O ano de 2018 começou bem para o comércio de zero-quilômetro. A venda de veículos novos registrou seu primeiro crescimento no mês de janeiro em quatro anos, após três consecutivos de queda, conforme dados da Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores). A última vez em que houve incremento em relação a janeiro do ano anterior foi em 2014, com leve alta de 0,4% em relação a 2013. No entanto, à época haviam sido emplacados 312.619 automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus, enquanto que, no mês passado, foram 181.263, alta de 23,14% em relação a janeiro de 2017.

No Grande ABC, foram licenciados 3.048 veículos, o que representa média de 98 unidades vendidas por dia ao longo do mês. O volume de vendas na região representa 1,7% do total no País.

Para especialistas, os números reforçam a recuperação do mercado automotivo, que já vinha apresentando números positivos nos últimos meses – o ano passado encerrou com alta de 9,23% ante 2016, com 2,239 milhões de unidades comercializadas no Brasil.

Para o coordenador do MBA em Gestão Estratégica de Empresas da Cadeia Automotiva da FGV (Fundação Getulio Vargas), Antonio Jorge Martins, esse aumento está relacionado a uma demanda que estava reprimida, impulsionada pela recuperação da confiança do consumidor. “Na realidade, mudaram os ares do nosso País, que estavam extremamente pessimistas, o que impactou no consumo interno de famílias e pessoas físicas. Na medida em que ocorre esta mudança, você começa a ter a redução do pessimismo e das incertezas e, naturalmente, a tendência é consumir e ampliar a capacidade de endividamento, o que está atrelado à maior aquisição de veículos.”

Este ano será marcado por eventos como a Copa do Mundo e eleições para presidente e governadores. E, quando isso ocorre, historicamente há uma desaceleração na economia. No entanto, apesar deles, as expectativas são positivas. O diretor da consultoria ADK Automotive, Paulo Roberto Garbossa, acredita que os números devem continuar positivos e crescendo progressivamente. “A tendência é ampliar as vendas, até porque o mercado estava abaixo do fundo do poço. Agora, para que ele atinja patamares mais altos, como os já obtidos no passado (a exemplo do período entre 2010 e 2013), deve demorar mais uns três ou quatro anos”, estima.

Até lá, para compensar, a indústria automobilística deve seguir investindo em lançamentos e vendendo boa parte da produção ao Exterior, aponta Martins. Outra saída ao segmento é direcionar a produção às vendas diretas para locadoras e, eventualmente, empresas que trabalham com novas modalidades. “Elas não somente locam, mas também compartilham veículos.”


MENSAL - Quando se compara o volume de vendas de zero-quilômetro de janeiro com o de dezembro, no entanto, se tem queda de 14,75% – no último mês do ano, foram emplacadas 212.620 unidades. Assim como na média nacional. o comércio regional também foi 15,1% menor do que em dezembro, quando foram licenciados 3.590 exemplares.

“A queda de janeiro sobre dezembro, no geral, pode ser atribuída ao já tradicional comprometimento de renda dos consumidores no início do ano, em razão do pagamento de matrículas e materiais escolares, IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores), entre outras despesas que refreiam o consumo de veículos neste período, sem contar a ausência do 13º”, explicou o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Júnior.

Vendas em concessionária superam em 110% expectativa para mês

Com três unidades na região e, ao todo, sete lojas na Grande São Paulo, a concessionária Vigorito já sente a melhora no mercado automotivo no início deste ano. As unidades da marca venderam cerca de 500 veículos novos em janeiro, 110% a mais do que a expectativa para o período. Além disso, o número foi 25% superior à venda de seminovos da rede, que alcançou total de 400 unidades.

Conforme o gerente da unidade de Santo André, Leonardo Campos, o resultado de janeiro surpreendeu. “Percebemos que o consumidor criou uma confiança e que adquiriu o entendimento de que os negócios não serão estagnados pelas turbulências no cenário político. Para se ter uma noção, o mês de janeiro foi o nosso melhor em vendas de seminovos desde 2015”, afirmou. “Em relação ao comércio de novos, apesar de superar a perspectiva, não atingimos esse marco em todas as lojas.”

Segundo Campos, a projeção é a de que este ano seja melhor do que 2017. “Com os resultados do início do ano, estamos no azul. O único mês que é mais difícil é fevereiro, por conta do Carnaval, mas estamos confiantes de que será um ano melhor.”

Por Yara Ferraz - Diário do Grande ABC
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Economia
25/09/2018 | Operação mira sonegação de R$ 100 mi de grupos cervejeiros e cerca Proibida
25/09/2018 | Greve na Argentina cancela voos no Brasil nesta terça-feira
25/09/2018 | Demanda por GNV aumenta até 350% após alta na gasolina
As mais lidas de Economia
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6328 dias no ar.