NOTÍCIA ANTERIOR
Antibióticos voltam a ter crescimento de vendas
PRÓXIMA NOTÍCIA
Revista publica estudo ''censurado'' sobre vírus da gripe aviária
DATA DA PUBLICAÇÃO 01/05/2012 | Saúde e Ciência
Colecionar animais pode ser distúrbio obsessivo-compulsivo
"Pensei que já tivesse visto de tudo até ir trabalhar no Controle de Zoonoses", conta a assistente social Marília Berzins, que por cinco anos visitou casas que abrigavam dezenas de animais em condições precárias. "O pior caso foi o de uma senhora que criava 200 cães numa fábrica abandonada."

A tarefa de Berzins era visitar pessoas intimadas pela prefeitura após denúncias. Desde 2001, a lei 13.131 proíbe manter mais de dez bichos em residências de São Paulo.

Embora clara, a regra não é tão simples de ser aplicada aos chamados colecionadores: pessoas que depositam o sentido da vida na relação com bichos. "Depois que o veterinário e o agente sanitário iam embora, a tarefa de dar conta daquela vida humana era nossa."

Quando a prefeitura bate à porta, o dono dos bichos recebe prazo de um mês para se desfazer de parte dos animais. Quem comprova ter condições de criar mais de dez pode pedir licença especial e manter até 15. Após o prazo, a multa por descumprir a lei é de R$ 100 (dobra na reincidência).

"Reconhecer a casa que sofreu denúncia é fácil: costuma ser a mais maltratada, na rua mais sem saída. Vizinhos colocam apelidos na moradora, chamam de bruxa dos gatos, de cachorreira", diz Berzins.

Conhecido como "animal hoarding" ou colecionismo de animais, o hábito de acumular bichos em casa pode ser uma forma grave do transtorno obsessivo-compulsivo (TOC).

É um distúrbio que talvez venha a ser inserido na próxima edição do Manual Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais (a bíblia da psiquiatria) como pertencente a um grupo de transtornos colecionistas. Está em pesquisa, o que explica a dificuldade em achar especialistas no Brasil.

"Estudos recentes indicam semelhanças entre o 'hoarding' animal e o colecionismo de objetos e traçam relação com TOC", explica Carmem Beatriz Neufeld, pesquisadora do departamento de Psicologia da USP de Ribeirão Preto e presidente da Federação Brasileira de Terapias Cognitivas.

Trabalho excessivo

Para Aristides Cordioli, psiquiatra e professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, é difícil estabelecer a diferença entre um "animal hoarder" e alguém que apenas tem muitos animais: "Merece tratamento quando atrapalha a vida, gera reclusão e trabalho excessivo. Mas essas pessoas não reconhecem que passaram do limite. Poucas buscam ajuda antes de a situação se tornar insustentável".

Três horas diárias e R$ 450 mensais é o que a designer Lilian Rega, 27, gasta para manter três cachorros, nove gatos e uma chinchila, habitantes "vip" do sobrado que divide com o namorado e outros dois "roommates", no Jabaquara.

"Tem essa lei impedindo a gente de ter mais de dez animais, mas trato bem, tenho espaço. Quem quiser pode vir ver que é tudo limpo", diz.

O andar de cima é reservado aos gatos. O térreo e o quintal são domínio dos cachorros: "Não misturo porque gatos e cachorros têm linguagens corporais muito diferentes, podem acabar se machucando".

Pela manhã, Lilian diz gastar uma hora e meia para limpar a caixa de areia dos gatos, lavar o quintal dos cães, pentear e alimentar todos. Quando volta do trabalho, é hora de deixar a chinchila livre por minutos em um quarto "à prova de chinchilas" (sem frestas por onde o roedor possa fugir).

Só depois desse processo é que ela senta no sofá, com um ou dois gatos no colo, e conta ao namorado como foi o dia.

Para Lilian, que não se considera colecionadora, animal é sinônimo de apego, companhia, dedicação e abnegação. Por eles, ela declinou de uma oportunidade profissional no exterior: "O trabalho duraria seis meses, eu não tinha como mudar toda a estrutura dos meus bichos para outro país e voltar em tão pouco tempo".

Por Juliana Cunha - Colaboração para a Folha
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Saúde e Ciência
20/09/2018 | Campanha contra sarampo e poliomielite segue na região
19/09/2018 | É melhor dormir com ou sem meias?
19/09/2018 | Forma de andar mostra os vícios de postura
As mais lidas de Saúde e Ciência
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2021 - Desde 2003 à 6770 dias no ar.