NOTÍCIA ANTERIOR
Governo federal libera R$ 1,09 mi para Ribeirão
PRÓXIMA NOTÍCIA
Feriados geram perdas de R$ 131 mi ao varejo
DATA DA PUBLICAÇÃO 05/09/2017 | Setecidades
Clima seco motiva uma queimada por dia no Grande ABC
Clima seco motiva uma queimada por dia no Grande ABC Foto: André Henriques/DGABC
Foto: André Henriques/DGABC
Os períodos de clima seco registrados no primeiro semestre motivaram a ocorrência de 183 queimadas no Grande ABC, o equivalente a um caso por dia. Embora o número seja 37,11% menor do que o observado no mesmo período do ano passado – foram 291 acidentes de janeiro a junho de 2016, conforme o Corpo de Bombeiros –, os prejuízos causados pelo problema, sejam eles ambientais ou à saúde humana, chamam atenção para a necessidade de se evitar práticas causadoras dos incêndios.

O fator climático, aliado ao lançamento de bitucas de cigarros e de palitos de fósforo, são tidos como pontos principais para a ocorrência das queimadas. “O que gera muito esse tipo de ocorrência é a ação humana. A vegetação está seca e jogam bituca de cigarro ou colocam fogo em lixo”, salienta o tenente Fabricio José Salomão, do 8º Grupamento do Corpo de Bombeiros.

O professor do curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Universidade Metodista de São Paulo Carlos Henrique Andrade de Oliveira pontua que falta informação para elevar os níveis de consciência da população. “Ainda há muitas pessoas que continuam com práticas que degradam o ambiente natural, como as queimadas de vegetação com a justificativa de ‘limpar o terreno’”, fala.

“Uma queimada elimina a vegetação; compromete o habitat de diversos animais, matando vários indivíduos de diversas espécies, inclusive; prejudica a qualidade do solo, ressecando-o e levando à perda de nutrientes e ao consequente empobrecimento; e, causa prejuízos ar, em consequência do aumento significativo de material particulado e em suspensão. Os efeitos negativos sobre a saúde humana são enormes”, destaca Oliveira.

Quanto ocorrem às margens de rodovias, as queimadas podem trazer consequências fatais. Exemplo pode ser observado no acidente com 38 veículos e que deixou duas vítimas fatais e 20 feridos na semana passada, em Jacareí, no Interior do Estado. Motoristas envolvidos na tragédia da Rodovia Carvalho Pinto e a Polícia Rodoviária Estadual relataram que havia queimada em mato na lateral da via, o que impediu a visualização da pista.

No SAI (Sistema Anchieta-Imigrantes), de janeiro a julho de 2017, a Ecovias registrou 95 focos de incêndio às margens de rodovia – número 43% menor do que o observado no mesmo período do ano passado, quando foram 168 casos.

No Trecho Sul do Rodoanel – que passa por Santo André, São Bernardo, Mauá e Ribeirão Pires –, a SPMar contabilizou 89 queimadas dentro da faixa de domínio nos sete primeiros meses e 139 no mesmo período de 2016.

O DER (Departamento de Estradas de Rodagem) informou que na Rodovia Índio Tibiriçá não houve registros de queimadas. As concessionárias afirmam que atuam com ações de conscientização a motoristas e comunidades do entorno.

Por Vanessa de Oliveira - Diário do Grande ABC
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Setecidades - Clique Aqui
As últimas | Setecidades
25/09/2018 | Acidente na Tibiriçá termina com vítima fatal
25/09/2018 | Santo André quer tombar 150 jazigos de cemitérios municipais
21/09/2018 | Região ganha 13 mil árvores em um ano
As mais lidas de Setecidades
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6228 dias no ar.