NOTÍCIA ANTERIOR
Em SP, 1º dia da lei da sacolinha tem reclamação sobre falta de informação
PRÓXIMA NOTÍCIA
Cantareira completa cinco dias sem chuva, mas nível se mantém
DATA DA PUBLICAÇÃO 09/04/2015 | Geral
Cidades de São Paulo voltam a racionar por risco de falta d'água
Cidades de São Paulo voltam a racionar por risco de falta d'água Foto: Arquivo/DGABC
Foto: Arquivo/DGABC
O risco de ficarem sem água com o fim do período chuvoso, que deve ocorrer este mês, está levando cidades da região de Campinas, interior de São Paulo, a retomar o racionamento. Em Araras, o Serviço de Água, Esgoto e Meio Ambiente (Saema) anunciou a volta do rodízio no abastecimento a partir de sexta-feira, 10. A cada 12 horas com água, os 120 mil moradores ficarão 36 horas com as torneiras secas.

De acordo com o Saema, o objetivo é fazer o consumo voltar a ser de 25 milhões de litros por dia, como ocorreu no racionamento.

Com a medida suspensa, o gasto diário de água chegou a 44,3 milhões de litros no feriado da Páscoa. O aumento obrigou à utilização da água armazenada nos reservatórios. Com o rodízio, a água captada no Rio Mogi Guaçu é suficiente para manter a cidade abastecida, poupando os reservatórios para os períodos críticos. "Temos de usar de forma racional, pois agora começa a estiagem e a situação continua preocupante", disse o presidente do Saema, Felipe Dezotti Beloto.

Em Valinhos, os reservatórios se recuperaram com as chuvas, mas o racionamento vai continuar, segundo o Departamento de Água e Esgoto (Daev). A cidade trata 27 milhões de litros por dia, insuficientes para os 117 mil habitantes. A nova estação de tratamento, que elevará a capacidade para 39 milhões de litros, só fica pronta no final do ano. Parte do abastecimento - 200 litros por segundo - vem do Rio Atibaia, que depende do Sistema Cantareira, ainda em estado crítico. De acordo com o Daev, em 15 meses de racionamento a cidade economizou 4 bilhões de litros.

Vinhedo manteve o sistema de abastecimento alternado que está permitindo uma redução no consumo de 740 m3 por hora para 520 m3/h. O objetivo é reservar água para o período seco, informou a Sanebavi, empresa de saneamento da cidade. Na mesma região, Nova Odessa fez o desassoreamento das represas, mas mantém o racionamento noturno - das 21 às 10 horas - para garantir água na estiagem. O município de Saltinho monitora o nível dos reservatórios e pode retomar o racionamento ainda este semestre.

A preocupação é maior para as cidades que dependem das bacias do Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ) para se abastecer, como Campinas. A vazão do Rio Atibaia, que abastece a cidade, havia caído para 8,19 metros cúbicos por segundo, nesta quarta-feira, 8, no ponto de captação, após ter atingido 29,7 m em março. O Piracicaba, o principal rio da região, tinha 52,23 m3/s em Piracicaba, longe do pico de 267,4 que alcançou no final de março. Isso ocorre porque a boa vazão depende das chuvas.

A Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo está oferecendo apoio financeiro não reembolsável para projetos de captação de água da chuva e reúso em municípios com até 50 mil habitantes. As inscrições devem ser feitas até o próximo dia 26. Nesta primeira fase, o programa é exclusivo para cidades das bacias hidrográficas do Alto Tietê, Paraíba do Sul e Piracicaba, Capivari e Jundiaí (Bacias PCJ). Já estão disponíveis R$ 8,7 milhões.

Por Estadão Conteúdo - Diário Online
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Geral
25/09/2018 | Golpe do ''motoboy'' é o crime da moda
25/09/2018 | Há quatro meses faltam medicamentos no SUS
25/09/2018 | Redução de pressão de água é eficaz, mas exige medidas, diz professor
As mais lidas de Geral
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6197 dias no ar.