NOTÍCIA ANTERIOR
Rail Europe aposta em brasileiros para nova rota Barcelona-Paris
PRÓXIMA NOTÍCIA
Cabul tem novo parque aquático com capacidade para mil pessoas
DATA DA PUBLICAÇÃO 09/10/2013 | Turismo
Chineses dominam turismo global
The New York Times Nos anos seguintes à Segunda Guerra Mundial, turistas americanos assustaram europeus e asiáticos com seus tênis e suas vozes retumbantes. Décadas mais tarde, grupos de japoneses desciam de ônibus e faziam sinais da paz enquanto fotografavam todas as atrações conhecidas possíveis.

Agora é a vez da China enfrentar críticas. As queixas são familiares: os turistas chineses olham tudo com jeito pasmo, dão empurrões e rejeitam a culinária local.

No ano passado, 83 milhões de chineses continentais gastaram US$ 102 bilhões no exterior, passando à frente de americanos e alemães para fazer da China o país do mundo que mais gasta com turismo, segundo a Organização Mundial de Turismo da ONU.

O grande número de chineses também os inclui entre os turistas que mais geram ressentimentos. Ao que parece, os turistas vindos da China continental, que muitas vezes desconhecem os usos e costumes de outros países, não apreciam o café da manhã no sistema bufê, comum em hotéis, e o conceito de aguardar em fila lhes é estranho.

No ano passado, o estilista francês Thierry Gillier, fundador da grife Zadig & Voltaire, provocou um pequeno escândalo quando disse à "Women's Wear Daily" que turistas chineses não seriam bem-vindos em seu novo hotel-butique parisiense. Uma enxurrada de críticas internacionais o persuadiu a se desculpar.

Os chineses enriqueceram recentemente e têm pouco conhecimento de línguas estrangeiras, combinação que é complicada ainda mais pelo isolamento histórico do país. "O fato de a China ser uma sociedade sem lei, com pouca instrução e com muito dinheiro nos bolsos vai cobrar um preço do mundo inteiro", comentou Hung Huang, popular blogueiro e publisher de uma revista de Pequim.

Mesmo assim, os países estão se desdobrando para atrair turistas chineses. Um condado litorâneo nos arredores de Sydney, na Austrália, está construindo por US$ 450 milhões um parque temático chinês com uma réplica em tamanho natural dos portões da Cidade Proibida e um templo budista de nove andares.

As autoridades parisienses publicaram recentemente um manual para seu setor de serviços contendo frases traduzidas do mandarim e dicas culturais para facilitar a compreensão dos desejos chineses.

O manual inclui a frase "eles são muito seletivos em relação à gastronomia e ao vinho".

A julgar pelas queixas ouvidas de várias partes do mundo, diretrizes como essas podem ser necessárias. Mas as críticas mais contundentes parecem estar sendo feitas por outros chineses.

Em maio, um turista chinês em Luxor, no Egito, descobriu que um compatriota tinha gravado seus próprios hieróglifos sobre a parede de um túmulo de 3.500 anos de idade. "Ding Jinhao esteve aqui", dizia a inscrição. Uma foto do rabisco foi difundida rapidamente nas redes sociais chinesas, e cidadãos rastrearam o vândalo de 15 anos, cujos pais fizeram um pedido público de desculpas.

Constrangido com a repercussão negativa do caso, o vice-premiê chinês, Wang Yang, criticou publicamente a falta de "educação e qualidade" dos turistas chineses que maculam a reputação de seu país. "Eles fazem ruídos altos em público, picham atrações turísticas, ignoram os faróis vermelhos quando atravessam ruas e cospem em todo lugar", disse, segundo o "Diário do Povo".

Mas a maioria dos turistas chineses se diverte tremendamente fora do país. Em maio, Huang Honglin, 53, e sua mulher pagaram US$ 8.000 por uma viagem em grupo de 16 dias pelos Estados Unidos, país que ele tinha conhecido numa viagem de negócios, 25 anos antes. Desta vez, Huang contou, "compramos pedras preciosas no Havaí e bolsas Prada em Nova York". De acordo com relatório da McKinsey & Company, quase 70% dos consumidores chineses de artigos de luxo compram seus produtos da Tiffany e lenços Hermès no exterior, para evitar o imposto chinês, que pode chegar a 60%.

Em 2007, a China concedeu aos EUA o "status de destino aprovado", abrindo as portas às viagens de lazer de grupos de chineses ao país a partir de 2008. No ano passado, 1,5 milhão de chineses chegou aos EUA, gastando quase US$ 8,8 bilhões.

Os turistas chineses às vezes são vítimas de agências de turismo inescrupulosas. Durante um tour pela cidade siberiana de Vladivostok, em janeiro, o cientista Chen Xu, 47, de Xiamen, disse que o passeio para ver uma "dança étnica russa", que custou US$ 80, resumiu-se a uma mulher de biquíni girando em volta de um poste de stripper.

Muitos sentem falta dos sabores de casa. Foi o que aconteceu com a estudante Xie Nuoyan, 20, de Pequim, que visitou Nova York. Ela disse que Chinatown foi uma decepção."Não é como nos filmes", comentou, "mas chorei de emoção ao ver arroz".

Colaborou Joshua Hunt

Por Dan Levin, do ''New York Times'' - Folha Online
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Turismo
18/09/2018 | Brasileiros precisarão de autorização de viagem para entrar na Europa a partir de 2021
17/09/2018 | Halloween Horror Nights 2018, do Universal Orlando, já está aberto
31/08/2018 | Campos do Jordão para crianças
As mais lidas de Turismo
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6189 dias no ar.