NOTÍCIA ANTERIOR
Segundona terá dupla de Mauá; CAD depende do Água Santa
PRÓXIMA NOTÍCIA
Ambicioso, Mauá FC quer acesso imediato na Segunda Divisão
DATA DA PUBLICAÇÃO 01/02/2018 | Cidade
Casal e cinco filhos se abrigam sob viaduto
Casal e cinco filhos se abrigam sob viaduto Família diz ter chegado de Vitória da Conquista há três meses e ocupou área no Capuava, em Mauá. Foto: Denis Maciel/DGABC
Família diz ter chegado de Vitória da Conquista há três meses e ocupou área no Capuava, em Mauá. Foto: Denis Maciel/DGABC
O casal Cassiano Fernandes Esteves e Rosângela Nogueira Santos diz que chegou de Vitória da Conquista, na Bahia, com cinco filhos pequenos e montou abrigo com lona em área localizada embaixo de viaduto da Jacu-Pêssego (esquina da Avenida Manoel da Nobrega com a Rua Rosa Kasinski), no bairro Capuava, em Mauá, há cerca de três meses. Ali, passou a dividir espaço com Leonardo Rodrigues Pereira, pernambucano de Águas Belas que construiu barraco na área há pouco mais de seis meses.

Apesar de também viver na precariedade, Pereira afirma ter se sensibilizado com a situação da família, principalmente com a falta de estrutura para as crianças – Mariano Zaqueu, Cristalina, Kailane, Cassiana Lais e Railane Nogueira Fernandes Esteves – e auxiliou na construção de um barraco ao lado do seu. “Não conseguia ver a família embaixo de um teto de lona, por isso dei a ideia e ajudei a fazer um ‘puxadinho’ para eles. Não é uma casa, mas é melhor do que tinham”, comenta.

Pereira não esconde o desejo de voltar para a terra natal. “Lá posso pedir a aposentaria como trabalhador rural.” Rosângela, por sua vez, sonha em se mudar para uma casa e recadastrar os filhos no Bolsa Família, benefício perdido há cerca de um ano, mas ela não explicou o motivo.

Os barracos ficam quase ao lado da estação de trem Capuava e, de acordo com usuários do transporte público, os moradores seriam ciganos, pois ficam cerca de três meses acampados no local, se mudam e depois de um período retornam. A equipe de reportagem do Diário foi até o acampamento, ontem à tarde, mas não havia ninguém nas moradias.

Comerciantes do entorno informaram que os moradores saem cedo e retornam apenas após as 20h. A equipe voltou à noite e encontrou o grupo já em seus barracos.

Procurada, a Prefeitura de Mauá informou que as famílias que estão na área migraram de Santo André para o bairro. De acordo com a administração, as equipes da Secretaria de Promoção Social foram ao local em diversas oportunidades e ofereceram a possibilidade de acolhimento no Centro POP (Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua), mas eles recusaram. Esclareceu ainda que a administração não pode retirar compulsoriamente essas pessoas do local.

Por Bia Moço e Denis Maciel - Especial para o Diário
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Setecidades - Clique Aqui
As últimas | Cidade
06/04/2020 | Atualização 06/04/2020 do avanço Coronavírus na região do ABC Paulista
03/02/2020 | Com um caso em Santo André, São Paulo monitora sete casos suspeitos de Coronavírus
25/09/2018 | TIM inaugura sua primeira loja em Mauá no modelo digital
As mais lidas de Cidade
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6333 dias no ar.