NOTÍCIA ANTERIOR
Inadimplência cresce 5,9% no País
PRÓXIMA NOTÍCIA
Telefônica ainda não definiu como ressarcir consumidores
DATA DA PUBLICAÇÃO 7/7/2008 | Economia
Bancos vão qualificar deficientes
A Febraban (Federação Brasileira de Bancos), em parceria com a Prefeitura de São Paulo, vai capacitar 529 pessoas portadoras de deficiência, por meio do Programa de Capacitação Profissional e Inclusão de Pessoas com Deficiência no Mercado de Trabalho, lançado no último dia 2.

Podem participar do programa pessoas com deficiência física e sensorial (auditiva e visual), maiores de 16 anos, que tenham interesse em trabalhar no setor bancário. Será oferecido curso supletivo para que os participantes possam concluir o ensino médio e, após essa fase, começa o processo de qualificação profissional, com teoria ministrada em salas de aula e atividades práticas.

O interessante é que os beneficiados começam o programa de estudos contratados pelas instituições bancárias com salário de R$ 560,37. O projeto conta com a participação de 14 bancos: Alfa, Bic Banco, Bradesco, Citibank, Deutsche Bank, Ibi, Indusval, Itaú, Real, Safra, Santander, Unibanco, Votorantim e VR.

Dificuldade - Segundo o diretor de relações institucionais da Febraban, Mário Sérgio Vasconcelos, o programa foi lançado porque há muita dificuldade por parte dos bancos de preencher a lei de cotas, que determina a empresas com 100 ou mais funcionários a contratação de um percentual mínimo de deficientes.

O artigo 93 da Lei 8.213, de julho de 1991, da legislação previdenciária, fixa que empresas que tenham entre 100 e 200 empregados têm de reservar 2% dos postos de trabalho para deficientes. Se tiver de 201 a 500 o percentual sobe para 3%, de 510 a 1.000 para 4% e de 1.001 em diante para 5%. "Fizemos uma pesquisa com mais de 2.000 deficientes e constatamos que 77% tem menos de 8 anos de escolaridade. Isso ocorre não por culpa deles, mas porque as escolas têm problemas de acessibilidade e professores não-qualificados", afirma Vasconcelos.

O gerente de inclusão e capacitação profissional da Avape (Associação para Valorização e Promoção de Excepcionais), Marcelo Vitoriano, concorda que há problemas de qualificação entre os deficientes, mas destaca que falta, por parte de muitas empresas, vontade de adequar os espaços físicos, de forma a atender as características desses cidadãos.

"De uma forma geral, existe desconhecimento sobre o potencial que essas pessoas têm. Outra dificuldade é que as empresas relutam em contratar deficientes intelectuais e visuais. Dão preferência a quem possui limitação física ou auditiva", disse.

Vitoriano diz que há deficientes intelectuais trabalhando como auxiliares administrativos, em linhas de produção. E ele acrescenta que há pessoas com deficiência visual atuando em diversas áreas. "Basta a empresa oferecer as ferramentas adequadas."

Os interessados em participar do programa da Febraban deve se inscrever pelo e-mail oportunidade@isocial.org.br ou em uma unidade do CAT (Centro de Apoio ao Trabalho), cujos endereços estão no site: http://portal.prefeitura.sp.gov.br/secretarias/trabalho/servicos/0001

Por Marcelo de Paula - Diário do Grande ABC / Foto: Tiago Silva
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Economia
22/1/2018 | Grande ABC tem oportunidades que pagam até R$ 8.000
22/1/2018 | Santander tem seis chances para gerentes
22/1/2018 | Golpes com benefícios do INSS crescem 30%
As mais lidas de Economia
18/1/2018 | Calendário PIS-Pasep 2017-2018: começa pagamento para nascidos em janeiro e fevereiro
16/1/2018 | Coco Bambu anuncia loja em Santo André e 200 vagas
16/1/2018 | Shopping ABC inaugura segunda unidade da Miniso na região
As mais lidas no Geral
17/1/2018 | Mauá premiará quem pedir CPF na nota
18/1/2018 | Calendário PIS-Pasep 2017-2018: começa pagamento para nascidos em janeiro e fevereiro
17/1/2018 | Grande ABC registra primeira morte suspeita por febre amarela
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2018 - Desde 2003 à 5432 dias no ar.