NOTÍCIA ANTERIOR
Primeiro dia de coleta seletiva no Rudge recolhe 2,5 toneladas
PRÓXIMA NOTÍCIA
Aline e Fernanda se casam no domingo
DATA DA PUBLICAÇÃO 07/06/2013 | Setecidades
Associação critica redução de R$ 0,10 nas tarifas de ônibus
Associação critica redução de R$ 0,10 nas tarifas de ônibus Foto: Nario Barbosa/DGABC
Foto: Nario Barbosa/DGABC
Empresários das companhias de ônibus que prestam serviços no Grande ABC protestam contra a redução nas tarifas municipais em cinco cidades da região. A decisão foi anunciada na quarta-feira pelo Consórcio Intermunicipal. A mudança dos valores, de R$ 3,30 para R$ 3,20, foi adotada em Santo André, São Bernardo, São Caetano, Mauá e Ribeirão Pires, com base na medida provisória publicada na semana passada que desonera impostos para o setor. Os preços entram em vigor no dia 15.

Para o presidente da AETC ABC (Associação das Empresas de Transporte Coletivo do ABC), José Romano Netto, qualquer mudança na tarifa deveria ser feita somente no fim do ano, quando, tradicionalmente, são aplicados os reajustes. “Tivemos alteração no dia 1º de janeiro deste ano. De dezembro de 2011 até janeiro de 2013 não houve aumento. Quando se determina o reajuste, são calculados todos os custos retroativos. É sempre baseado no que já passou, e não no que está por vir”, critica. Em Santo André, São Bernardo e Ribeirão Pires, o bilhete passou de R$ 2,90 para R$ 3,20.

Desde janeiro, diz Romano Netto, já foram registrados “aumentos significativos” nos custos das empresas, como alta nos preços de combustíveis e nos custos com mão de obra. “Nem por isso fomos bater na porta dos prefeitos para solicitar reajuste”, pondera o empresário, que recentemente esteve envolvido em acidente com Ferrari avaliada em R$ 2,1 milhões no acesso da Rodovia Castello Branco para a Marginal do Tietê, na Capital. Ele abandonou o veículo no Cebolão depois da colisão.

Romano Netto afirma temer que a decisão provoque desemprego no setor. “Não podemos descartar que algumas empresas tenham mais dificuldade que outras e isso acabe acontecendo. Mas ainda não tenho essa informação.” Segundo o empresário, os gastos com funcionários são responsáveis por entre 50% e 60% de toda a planilha orçamentária das viações. O presidente da associação informa ainda que as empresas estão calculando o impacto que será provocado pela redução, e os primeiros diagnósticos devem ser conhecidos a partir da próxima semana. Apesar do descontentamento, Romano Netto garante que não pretende ir à Justiça para tentar barrar a decisão do Consórcio.

Em Diadema e Rio Grande da Serra não foram aplicadas alterações nas passagens. Os bilhetes custam R$ 3,20 em Diadema e R$ 3 em Rio Grande da Serra. Não há previsão de barateamento das tarifas intermunicipais e da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos).

Por Fábio Munhoz - Diário do Grande ABC
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Setecidades - Clique Aqui
As últimas | Setecidades
25/09/2018 | Acidente na Tibiriçá termina com vítima fatal
25/09/2018 | Santo André quer tombar 150 jazigos de cemitérios municipais
21/09/2018 | Região ganha 13 mil árvores em um ano
As mais lidas de Setecidades
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6234 dias no ar.