NOTÍCIA ANTERIOR
Brasil é humilhado pela Alemanha e dá adeus ao hexacampeonato
PRÓXIMA NOTÍCIA
Seleção defende a honra na disputa pelo terceiro lugar
DATA DA PUBLICAÇÃO 10/07/2014 | Esportes
Argentina completa pesadelo brasileiro e protagoniza decisão
Argentina completa pesadelo brasileiro e protagoniza decisão Foto: Claudinei Plaza
Foto: Claudinei Plaza
Dia da independência, a eliminação humilhante do Brasil na véspera. Todo o enredo indicava que o nove de julho seria marcante para a Argentina. E foi. Os hermanos, na base da velha raça e emoção, eliminaram a Holanda nos pênaltis, após empate sem gols no tempo normal, ontem à tarde na Arena Corinthians, e estão na decisão da Copa do Mundo 2014.

O eterno rival da Seleção Brasileira volta a disputar uma final, o que não acontecia desde 1986, e justamente diante da Alemanha, algoz do Brasil nesse mundial. A decisão será domingo, às 16h, no Maracanã.

No início da partida, a Holanda estava disposta a tentar o gol. Com uma postura ofensiva, os europeus empurravam os argentinos para dentro de seu campo de defesa. Porém, o ímpeto holandês durou pouco. E os hermanos rapidamente passaram a ficar mais tempo com a bola nos pés.

A primeira chance surgiu com Messi, de falta. Mas Cillessen estava atento. Depois, Garay cabeceou e a bola passou perto. O time de Alejandro Sabella mostrava que teria condições de oferecer algo a mais do que jogar apenas nos contra-ataques. E apresentou futebol de muita velocidade na primeira etapa, ainda que não tivesse mais chances objetivas de gol.

Vendo que sua equipe estava, de certa maneira, apática na primeira etapa, Van Gaal adiantou a marcação. O time não criava no segundo tempo, mas já conseguia impor respeito, sem passar por sustos. Mesmo assim, a melhor chance foi da Argentina. Aos 29, Higuaín desviou e a bola acertou a rede, mas do lado de fora.

Quando finalmente teve a chance de marcar, a Holanda não esperava pela presença do volante Mascherano. No fim da partida, aos 45, Robben saiu na cara de Romero e, na hora do chute, foi travado pelo volante argentino.

A partida dramática foi para a prorrogação e as duas equipes resolveram se precaver. Embora ainda demonstrasse maior domínio, a Argentina teve apenas uma chance, com Maxi Rodríguez, aos 11, sem sucesso.

Veio então a decisão por pênaltis. Vlaar, o primeiro batedor da Holanda, chutou forte, mas Romero fez a defesa. Messi marcou para a Argentina. Robben e Garay também converteram suas cobranças. A responsabilidade então, caiu sobre Sneijder, o carrasco do Brasil na Copa de 2010. E o meia holandês parou em nova defesa de Romero. Agüero e Kuyt marcaram. E Maxi Rodríguez decretou a vitória heroica da Argentina e a vaga na decisão do Mundial.

Em confronto entre Messi e Robben quem leva a melhor é Romero

No tão esperado duelo entre Lionel Messi e Arjen Robben, o grande destaque do confronto entre Holanda x Argentina foi, na verdade, o goleiro Romero. Se os principais craques não estavam em noite tão inspirada – o argentino pouco apareceu, enquanto o holandês até teve mais iniciativa, mas também ficou devendo – o arqueiro dos hermanos defendeu duas cobranças de pênalti e decidiu a classificação para a final da Copa no Brasil.

Foram 120 minutos espetaculares, meus companheiros deram a vida. Recebo hoje esse troféu, mas divido com eles”, disse. Após a partida, o goleiro extravasou e exaltou a conquista da vaga na decisão. “Espero que todo mundo aproveite, toda essa gente esperando por nós tanto tempo. É uma grande alegria”, concluiu.

Por Thiago Bassan e Dérek Bittencourt - Diário do Grande ABC
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Esportes
21/09/2018 | Tite convoca Pablo, Walace e Malcom para duelos contra Arábia Saudita e Argentina
20/09/2018 | Real Madrid atropela a Roma por 3 a 0 e inicia bem a luta pelo tetracampeonato
18/09/2018 | Jogador de vôlei que jogou em Santo André é encontrado morto na Espanha
As mais lidas de Esportes
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6232 dias no ar.