NOTÍCIA ANTERIOR
SindSaúde ABC realiza manifestação na semana que vem
PRÓXIMA NOTÍCIA
Mauá inaugura parque da Juventude
DATA DA PUBLICAÇÃO 26/12/2016 | Cidade
Após investida, Donisete enterra disputa por ICMS
 Após investida, Donisete enterra disputa por ICMS Foto: Radio Abc
Foto: Radio Abc
Depois de investidas e diversas divergências com figuras políticas durante a campanha eleitoral de 2012, o atual prefeito de Mauá, Donisete Braga (PT), enterrou a disputa por recolhimento de impostos de combustíveis produzidos pela Recap (Refinaria de Capuava), sediada na cidade.

A bandeira defendida por Donisete consistia em reivindicar o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) recolhidos nas cidades de São Caetano e Barueri, que abrigam postos de distribuição e que ficam com a fatia do tributo. O petista sustentava que o município mauaense tinha direito ao imposto por abrigar a produção de gasolina e diesel oriundos do refinamento do petróleo.

Pelos cálculos à época, a cidade deixava de arrecadar R$ 167 milhões por ano. A ideia era injetar recursos à arrecadação do município.

Outra frente criada pelo governo Donisete também não surtiu efeito. No ano passado, a gestão petista contratou, por R$ 2,7 milhões, um escritório de advogados especializado no ramo do petróleo para tentar aumentar a fatia que a cidade recebe de royalties do pré-sal. O entendimento do governo era de que, por sediar a refinaria, o município teria direito a receber maior parcela dos recursos advindos da exploração do petróleo.

Pela lei de partilha do pré-sal (número 12.351/2010), municípios produtores de petróleo devem receber fatia maior na distribuição dos royalties. Apesar de sediar uma refinaria, Mauá não recebe como produtora nem como distribuidora do material. O repasse atual é de aproximadamente R$ 500 mil por mês, mas a administração petista estimava que, se o município fosse enquadrado como estação de embarque e desembarque, essa verba saltaria para R$ 2 milhões.

Pelo Portal da Transparência do Paço, o escritório contratado, de forma direta e sem licitação, por Donisete, Holanda & Cascardo Advogados & Consultores Associados já recebeu R$ 50 mil do governo. Então secretário de Administração, Alessandro Baumgartner havia afirmado ao Diário que a empresa só seria paga se o caso tivesse resultado positivo.

Procurada desde terça-feira, a Prefeitura não se manifestou sobre o assunto.

Por Junior Carvalho - Diário do Grande ABC
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Setecidades - Clique Aqui
As últimas | Cidade
03/02/2020 | Com um caso em Santo André, São Paulo monitora sete casos suspeitos de Coronavírus
25/09/2018 | TIM inaugura sua primeira loja em Mauá no modelo digital
25/09/2018 | CPTR oferece 20 vagas de emprego (25/09)
As mais lidas de Cidade
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6198 dias no ar.