NOTÍCIA ANTERIOR
Telexfree continua funcionando no Brasil apesar de proibida
PRÓXIMA NOTÍCIA
Ferroviários fazem acordo e descartam greve
DATA DA PUBLICAÇÃO 20/05/2014 | Geral
Alckmin aumenta pedágios no Estado de São Paulo
Alckmin aumenta pedágios no Estado de São Paulo Foto: portalctb.org.br
Foto: portalctb.org.br
Após multar paulistanos por crise da água, governador irá reajustar praças a partir de 1º de julho

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), irá aumentar os pedágios no Estado de São Paulo. O reajuste ocorre no dia 1º de julho, no entanto o valor será definido no início do próximo mês. De acordo com a própria Artesp (Agência de Transporte do Estado de São Paulo), o aumento levará em conta análise do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) e do IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado) acumulados entre junho de 2013 e maio deste ano. Nos últimos 12 meses o IPG-M subiu 7,9%; já o IPCA teve alta de 6,2%. No ano passado Alckmin desistiu de aumentar o pedágio diante da onda de protestos em junho.

No ABCD, duas empresas gerenciam praças de pedágio: a SPMar é responsável pela concessão do Trecho Leste do Rodoanel Mário Covas, e as tarifas variam de R$ 2,60 a R$ 15,60 conforme tamanho do veículo – motociclistas pagam R$ 1,30. Enquanto isso, a Ecovias administra o Sistema Anchieta-Imigrantes, com pontos de cobrança nas praças Diadema (o valor mínimo cobrado é R$ 1,60), Eldorado (R$ 3), Batistini (R$ 4,80), Piratininga (R$ 21,20) e Riacho Grande (R$ 21,20).

Desvio
Enquanto o governo prevê aumentar os valores, a CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) instalada na Assembleia Legislativa de São Paulo para apurar as concessões, contratos e aditivos que regem o sistema de pedágios nas estradas do Estado cobrou na última quarta-feira (14/05), em regime de urgência, que a Artesp envie documentos de auditoria sigilosa da agência, em que constataria ganho indevido de R$ 2 bilhões pelas concessionárias de rodovias que exploram as estradas, em decorrência de aditivos “feitos no apagar das luzes” de 2006, no fim do governo de Cláudio Lembo, que sucedeu Alckmin em março do mesmo ano. Os aditivos prorrogaram prazos de contratos de concessão assinados em 1998.

Por Bruno Coelho - ABCD Maior
Assine nosso Feed RSS
Últimas Notícias Gerais - Clique Aqui
As últimas | Geral
25/09/2018 | Golpe do ''motoboy'' é o crime da moda
25/09/2018 | Há quatro meses faltam medicamentos no SUS
25/09/2018 | Redução de pressão de água é eficaz, mas exige medidas, diz professor
As mais lidas de Geral
Relação não gerada ainda
As mais lidas no Geral
Relação não gerada ainda
Mauá Virtual
O Guia Virtual da Cidade

Todos os direitos reservados - 2020 - Desde 2003 à 6194 dias no ar.